Arquivo da categoria: Qualidade de Vida

Deterioração intelectual dos gays idosos

gay_idoso_casado1Prezado leitor, quais são as principais causas e mais corriqueiras da deterioração intelectual dos gays na velhice?

Porque problemas psíquicos e emocionais não permitem aos idosos agir livremente e com iniciativa pessoal?

Recentemente, conversando com o meu companheiro, eu pude identificar que a partir de certa idade os idosos ficam inseguros devido às doenças, falta de disposição física, cansaço e fadiga são fatores que condicionam a mente e confinam os idosos em espaços limitados. Insegurança, medos e falta de tesão pela vida transformam esses homens em fantasmas.

Obviamente, um dia precisamos sossegar o facho, mas o confinamento existe mesmo não havendo doenças físicas aparentes.

Eu conheço muitos gays idosos e a maioria vive num círculo vicioso. Já não saem para viagens, lazer ou diversão e o mundo se resume a quase nada. E pensar que existem tantas coisas para se fazer na vida!

Os idosos da atualidade viveram a plenitude da vida nos guetos e isso fez com que ficassem inertes, pois dificilmente encontram saídas para ver o mundo de uma forma diferente, ficaram apáticos e se você convida para sair ou viajar arranjam desculpas esfarrapadas.

Às vezes tenho a impressão de que o gueto é o único ponto de referência ainda existente em suas vidas, pois sempre eu os vejo conversando em pequenos grupos, bebendo cerveja em bares da cidade, em locais conhecidos por frequência de gays e invariavelmente, sozinhos. Estão ali para passar o tempo e socializar, mesmo que, por poucas horas. O mundo deles é apenas isso!

Nesse cotidiano a deterioração intelectual é evidente, pois as conversas são vazias e sem conteúdo e quase todos vivem das glórias do passado. Você comenta sobre um filme ou um livro novo e eles estão desatualizados, sabem apenas o que passa diariamente na TV. Não é questão de status, mas a decadência intelectual é impressionante, pois muitos têm formação acadêmica.

Só para você ter uma ideia. Alguns finais de semana eu fico em São Paulo e vez ou outra eu encontro um velho conhecido e as conversas dele sempre remetem às glórias do passado, da juventude e da beleza, dos amores e amantes e os seus olhos brilham e um fugaz sorriso aparece, mas após breves devaneios tudo esmaece.

Ele fica indiferente e logo busca uma desculpa para ir embora e voltar à sua vida rotineira e muito controlada, sem responsabilidades criativas. Já convidei para ir à chácara, ao cinema e até para jantar e nada surtiu efeito.

Igual a ele existe um batalhão de gays na mesma situação, pois estão assimilados nesta condição de insegurança, num mundo restrito e cheio de obstáculos. Com o passar dos anos ficam ainda mais inseguros e até um passeio simples no parque é algo inimaginável.

Uns tempos atrás eu pensava que atitudes dessa natureza estavam vinculadas às afinidades entre gays que se conhecem há décadas, mas após várias tentativas de manter relacionamento de amizade, eu percebi que o problema não era esse e sim uma apatia natural pela vida. Escrevi natural porque me parece que todos vão pelo mesmo caminho.

Também, não são problemas financeiros porque a grande parte desses gays possui casa ou apartamento próprio e tem boa renda mensal. É comodismo mesmo! Falta de perspectivas, desistiram cedo demais!

Outro fator identificado é a desilusão afetiva. Já não acreditam em relacionamentos, vivem do passado e não vivem o presente, logo, não tem sonhos e não há perspectivas para um futuro, mesmo que limitado em poucos anos.

Meu companheiro disse que o divisor de águas na sua vida foi quando completou setenta anos e após o tratamento de um câncer na laringe percebeu a finitude da vida. Foi quando decidiu sair do lugar comum e fazer o que sempre gostou, viajar. Neste caso, ele optou por viver a vida plenamente, sem confinamentos a espaços limitados. Ele diz: Viajar é renovar as energias e descobrir a beleza da vida através de pessoas e paisagens.

Claro, ele tem a mim como companheiro e isso já é meio caminho andado, mas mesmo quando estou no trabalho ele sai para suas caminhadas matinais, faz compras, vai aos shoppings, missas, conversa com as pessoas, busca manter-se informado do que acontece no mundo. Faz da leitura um passatempo gostoso e sem obrigação, gosta de escrever cartas de próprio punho para amigos dos tempos do banco, etc.

Ele também percebe a apatia de outros gays conhecidos e residentes no nosso bairro. Quando os encontra as conversas são vazias e sempre tem a sensação de que não está agradando.

Um conhecido uma vez me disse: Sublimei o sexo, não quero mais saber disso. Tempos depois soubemos da sua internação voluntária numa casa de repouso, após terminar o relacionamento com o bofe. Nunca mais tivemos notícias dele.

Não existem fórmulas mágicas para combater a deterioração intelectual, mas se você gosta de praia, vá morar à beira mar. Se gosta do campo, vá morar no interior e se é cosmopolita viva nas cidades, mas esteja sempre em movimento.

Na velhice é primordial, além de estimular a memória, outras funções mentais, corporais e comportamentais precisam ser estimuladas como a inteligência, a criatividade, a concentração, o raciocínio, as percepções, as noções espaciais, os sentidos, a imaginação, a sociabilidade, a comunicação, as atividades físicas, as habilidades lógicas, artísticas e musicais. Poxa! quanta coisa não?

Agir livremente e com iniciativa é um dos melhores remédios para combater a solidão, o isolamento e o envelhecimento.

Nostalgias e Melancolias dos gays

gay_idoso_em_crise2Carlos Heitor Cony escreveu: Nostalgia é saudade do que vivi, melancolia é saudade do que não vivi.

Com o passar do tempo temos propensão de lembrarmos-nos do passado com nostalgia, dos bons momentos vividos, de coisas, situações e pessoas, mas também dos maus momentos ou momentos não vividos da forma como gostaríamos de vivê-los.

E porque isso acontece? Vou tentar explicar

A nostalgia é a sensação de saudade e a melancolia é um estado de grande tristeza e muitas vezes associada à depressão.

As lembranças que temos do passado, sejam elas boas ou ruins, invariavelmente, são de caráter emocional, pois a noção de identidade pessoal pressupõe a relação entre experiência e memória. Subentende, ainda, o estabelecimento de vínculos, sejam eles ligados à natureza, de caráter étnico, religiosos, de classe ou afetivo.

Para os gays esses vínculos, balizam, bem ou mal, a inserção na sociedade.  Por isso temos a noção de quem somos e como é o mundo, porque independente da nossa sexualidade sentimos a necessidade de nos inserir numa ordem sociopolítica, cultural e cognitiva, em uma ordem de valores, que possam nortear nossa visão de mundo e nossa relação com os outros.

Quando eu era jovem sentia a necessidade de inserção social, mas sempre vinha à minha cabeça: o que pode acontecer se descobrirem que sou gay? Hoje a necessidade de inserção não é tão importante porque o meu círculo social já está consolidado.

Igual a mim, penso que os gays acabam restringindo a inserção social por medo do confronto, ai passa-se a viver num mundo com limitações e isso também vai limitar a interação social.

Isso é fato, mas somos capazes de adaptações porque nossa vida não é apenas sexo e no decorrer da vida vamos interagir com o mundo, mesmo sendo ele predominantemente heterossexual.

crazy loucos de amor 2A nostalgia e a melancolia não ocorrem apenas na velhice, elas ocorrem em qualquer momento da nossa vida.

Podemos ter saudade de colegas, amigos e amantes, mas também sentimos saudade dos nossos familiares e de coisas que fazíamos noutros tempos que nos davam prazer e felicidade.

Eu por exemplo tenho nostalgia dos tempos da faculdade e não há uma razão específica para isso. É recorrente na minha vida. Talvez ocorra porque estudar me dava prazer e a homossexualidade nunca atrapalhou minha relação com professores e colegas de classe. Também não tenho saudades de ex-parceiros e olha que não foram poucos, pelo menos uns cinco relacionamentos mais estáveis. Hoje todos são falecidos e não me vem sentimentos nostálgicos. Já da família vez ou outra tenho nostalgia dos tempos vividos com a minha mãe.

Não é regra, mas os gays têm saudades da juventude porque eram belos, formosos e estavam sempre no centro das atenções. Eram cobiçados e disputados a tapas por amantes, ou porque os gays em sua maioria preferem os jovens – O hedonismo do mundo gay.

Às vezes nos frustramos, principalmente, nas relações humanas e com o tempo isso vai gerar tristeza e melancolia decorrentes das perdas ou de coisas que deixamos de fazer.

Sobre os gays mais velhos, um dos motivos da nostalgia é porque se tornam seletivos, a velhice em si traz a saudade e isso não significa dizer que a formação da identidade individual e coletiva dos gays se constitua de maneira imutável. O termo formação já carrega em si o sentido de algo em percurso, em vir a ser.

Essa noção de identidade e de história de vida pressupõe, ainda, uma relação efetiva e durável com o mundo exterior, o mundo dos seres e das coisas e ao nos tornarmos seletivos, nossas relações sociais são mais efêmeras porque vivemos numa sociedade que além de discriminar os homossexuais também discrimina o velho.

Portanto, eu digo: Viva intensamente toda a sua juventude, porque para envelhecer você tem toda a eternidade – isso é uma referência aos escritos do poeta persa Omar Khayyam.

Há gays maduros e idosos que tem espírito e mente jovem, abertos às transformações sociais e culturais e adaptam-se facilmente ao tempo presente. Isso é facilitador para inserção social e vai somar para sentimentos de nostalgia positiva.

Os seres humanos são frágeis e  nossa sexualidade contribui para mais fragilidade, logo, colecionamos uma dezena, talvez, centenas de situações ao longo da vida que nos trarão sentimentos de nostalgia ou melancolia. A balança vai pesar mais para o lado que você escolheu ou optou viver, ou não.

Você pode ter nostalgia dos momentos da juventude, das baladas, dos bares, das boates, viagens, mas principalmente de momentos vividos com outras pessoas.

A melancolia traz sensação de grande tristeza e é mais comum aos gays do que imaginamos porque se privam de viver a vida com plenitude devido a não aceitação da homossexualidade. Outro fator que acentua a melancolia são as perdas, principalmente, de parceiros queridos e amados por longos períodos ou anos.

A própria velhice e a finitude da vida traz momentos melancólicos.

Eu recomendo ao leitor fazer um exercício: Tente ficar um final de semana sem contato com outras pessoas, sem conversar com ninguém e completamente isolado e desligado do mundo exterior.

A primeira coisa que vem à mente são as situações vividas ontem, na semana passada e assim vai. Isso ocorre porque as coisas do mundo tem a função de estabilizar a nossa vida. Os seres humanos estão em contínua mutação, portanto estamos sempre renovando nossa relação com objetos, situações e pessoas.

Essa faculdade de as coisas do mundo terem o poder de estabilizar a vida humana, bem como, as relações entre os seres humanos, por mais conflituosas que venham a ser, é o que gera infindáveis modos de integração, percepção e enraizamento.

Implica, portanto, a criação de quadros de referências e de valores, com os quais toda e qualquer experiência humana entrará em contato, seja negando, transformando ou endossando-os como vetores para a estabilização, sempre relativa, às vezes contraditória e ambígua, da trajetória de vida dos seres humanos.

Hoje vivendo entre a maturidade e a velhice eu consigo perceber que o mundo comum está retirando-se para as sombras e posso perceber mais claramente o quanto necessito dele.

Por um longo tempo, essa necessidade foi esquecida pela satisfação que acompanhou a minha descoberta de uma vida interior plenamente desenvolvida, liberada ao menos dos olhares curiosos dos vizinhos, dos preconceitos do bairro, da desconfiança dos colegas de trabalho e da presença inquisitorial dos mais velhos, de tudo que fosse acanhado, asfixiante, insignificante e convencional.

Mas, agora, é possível ver que o colapso da minha vida comum empobreceu também a minha vida privada; libertou a minha imaginação dos constrangimentos externos, mas, ao mesmo tempo, expôs mais diretamente à tirania das compulsões e ansiedades internas.

Assim, nostalgia e melancolia estão ai esperando o momento de aflorar e vai depender exclusivamente de cada um permitir o que deve ou não fazer parte das suas emoções presentes. Hoje eu vivo momentos nostálgicos e se a melancolia bater à porta eu deixarei entrar sem arrependimentos ou traumas.

Caro leitor dos Grisalhos, desejo a você um ótimo feriado e aproveite esses dias para viver momentos felizes e prazerosos, pois esses momentos serão figurinhas do seu álbum de nostalgias no futuro.

%d blogueiros gostam disto: