Publicado em Contos da cidade, Literatura

Conto: O Menino do Gouveia

menino do gouveia
Foto da Fundação Biblioteca Nacional

Caro leitor, eu descobri este conto vasculhando as obras de James Green. Recentemente adquiri um exemplar do seu livro raro chamado Frescos Trópicos – Fontes sobre a homossexualidade masculina no Brasil (1870 – 1980) em parceria com Ronald Polito.

De acordo com os pesquisadores e autores do livro, é considerado o primeiro conto erótico gay publicado no Brasil, editado pela revista Rio Nu, em 1914 e assinado por Capadócio Maluco, um pseudônimo. Na época Gouveia era a gíria para homens velhos que se relacionavam sexualmente com garotões.

O menino do Gouveia

Estendido junto a mim na cama suspirativa do chateau, depois de ter sido enrabado duas vezes, tendo na mão macia e profissional a minha respeitável porra, em que fazia umas carícias aperitivas, o menino do Gouveia, isto é, o Bembem, contou-me pitorescamente a sua história com todos os não-me-bulas de sua voz suave de puto matriculado.

– Eu lhe conto. Eu tomo dentro por vocação; nasci para isso como outros nascem para músicos, militares, poetas ou até políticos. Parece que quando me estavam fazendo, minha mãe, no momento da estocada final, peidou-se, de modo que teve todos os gostos no cu e eu herdei também o fato de sentir todos os meus prazeres na bunda.

Quando cheguei aos meus treze para catorze anos, em que todos os rapazes têm uma curiosidade enorme em ver uma mulher nua, ou pelo menos um pedaço de coxa, um seio ou outra parte do corpo feminino, eu andava a espreitar a ocasião em que algum criado, ou mesmo meu tio, ia mijar, para deliciar-me com o espetáculo de um caralho de um homem.

Não sei por que era, eu sentia uma atração enorme para o instrumento de meus prazeres futuros.

Havia então, entre os empregados, um que possuía uma parativelas que era mesmo um primor de grossura e comprimento, fora a cabeçorra formidável. Uma destas picas que nos consolam até a alma!

Entretanto, o que mais aguçava a minha curiosidade e me dava um desejo insofrível, era poder ver a porra de meu tio. Este, porém, era muito cauteloso, e jamais ia satisfazer as suas necessidades sem trancar a porta da privada, ficando eu deste modo com o único recurso de calcular e julgar, pelo volume que lhe via na perna esquerda, as dimensões do seu mangalho que parecia ser colossal.

Um dia em que ele e titia foram à cidade muni-me de uma verruma e fiz na porta do quarto dos mesmos uma série de buracos dispostos de maneira que eu pudesse observar todos os movimentos noturnos.

– Confesso, Capadócio Maluco – acrescentou o Bembem, aumentando o movimento punhetal que vinha fazendo na minha pica -, que nem uma só vez me passou pela cabeça a idéia de que ia ver a titia nua ou quase nua. O meu único pensamento era poder apreciar ereto o membro viril do titio.

Nessa noite, mal nos recolhemos aos dormitórios, eu fui postar-me, metido na comprida camisola de dormir, na porta e com os olhos pregados nos furos previamente feitos.

Parece, porém, que o casal não tinha pressa nenhuma em se foder ou então ambos andavam fartos, pois meu tio, em camisa de meia, sem tirar as calças, sentou a ler um livrinho que depois eu souber ser da Coleção Amorosa do Rio Nu, enquanto minha tia, em mangas de camisa, principiou uma temível caçada a algumas pulgas teimosas.

Se eu gostasse de mulher, teria me deliciado vendo, nos movimentos bruscos da caçada, os seios da moça, que eram alvíssimos, de bicos vermelhos, redondos e rijos como se ela ainda fosse cabaçuda; porém todo o meu prazer, toda a minha curiosidade, estavam entre as pernas do tio, no seu caralho, cuja lembrança me punha comichões na bunda.

Afinal, ela parece que cansou na perseguição dos pequenos animais, pois deixou cair a saia e rapidamente substituiu a camisa por uma pequena camiseta de meia de seda que lhe chegava até o meio das nádegas.

Mesmo sem querer, tive que admirar-lhe as pernas bem-feitas, as coxas grossas, torneadas e muito claras, a basta pentelhada castanho-escura e – com quanta raiva o confesso! – o seu traseiro, amplo, macio, gelatinoso.

Ah! se eu tivese um cu daqueles, era feliz! Era impossível que meu titio, tendo ao seu dispor um cagueiro daqueles, pudesse vir a gostar da minha modesta bunda! Quanto ciúmes eu tive da tia naquela noite!

Parece que a leitura do tal livrinho produziu alguma coisa em titio. Ele principiou a olhar de vez em quando para a mulher, estendida de papo para o ar sobre o leito; depois passou várias vezes a mão pela altura da pica.

Finalmente levantou-se, num momento tirou toda a roupa e caminhou para a cama.

Oh! Céus! Eu então pude ver, com toda a dureza que uma tesão completa lhe dava, os vinte e cinco centímetros de nervo com que a Natureza o brindara. Que porra!

Grande, rija, grossa, com uma chapeleta semelhante a um pára-choques da Central e fornida dum par de colhões que devia ter leite para uma família inteira.

Ele chegou-se ao leito, começou a beijar a esposa nos olhos, na boca, no pescoço, nos seios e depois, quando a sentiu tão arreitada como ele estava, afastou-lhe as belas coxas, trepou para cima do leito e eu, do meu observatório, vi aquele primor de pica deslizar suavemente e sumir-se todo pelo cono papudo da titia, que auxiliava a entrada do monstro fazendo um amestrado exercício de quadris, a suspirar, a gemer, a vir-se, no mais completo dos gozos, na mais correta das fodas.

Não quis ou não pude assistir ao resto da cena. Eu tinha uma sensação esquisita no cu, parecia que as pregas latejavam. Mais tarde vim a saber que isso era tesão na bunda.

Corri para o meu quarto, fechei-me por dentro, atirei para longe a camisola, que me incomodava e, tendo arrancado a vela do castiçal, tentei metê-la pelo cu acima a ver se me acalmava. Fui caipora; as arestas da bugia machucavam-me o ânus e não a deixavam entrar.
Passei uma noite horrível.

Anúncios
Publicado em Curiosidade, História

Grisalhos, oito anos de labuta e diversão 

 

Num final de tarde ensolarado do dia 22 de janeiro de 2009, eu formatei o primeiro texto para publicá-lo neste blog. Era um artigo do teólogo canadense Gregory Baum.

Desde aquele dia até os atuais foram mais de setecentos e cinquenta textos e um trabalho que completou oito anos. Há registro de quase três milhões de leituras.

Eu sempre gostei de escrever, é uma forma de externar os meus pensamentos e não imaginava a repercussão e a abrangência dos meus escritos.

Dos confins de Angico dos Dias, na borda do Parque Nacional da Serra das Confusões, entre o sertão baiano e o Piauí, até terras de além-mar, como Portugal e Espanha e com muro ou sem muro, Canadá e Estados Unidos.

Sou crítico de mim mesmo e fico plugado nas notícias ou tudo o que envolve a homossexualidade. Aproveito cada momento com pessoas conhecidas, amigos e até parentes para observar pontos de vista, comentários e principalmente, como as pessoas veem a questão. As neuroses e medos dos próprios gays, suas frustrações, tristezas e alegrias.

O blog é um repositório de ideias sobre o universo dos gays maduros e idosos, mas como eu não faço distinção, muitos temas atraem também os jovens. Isso é ótimo! Renovação constante!

Os textos já foram utilizados como fonte de pesquisa para trabalhos acadêmicos, cinema experimental, jornalismo, sociologia, temas de revistas e televisão.

Recentemente fui procurado por uma pessoa da TV Globo, mas esse não é o objetivo deste trabalho e também porque não almejo visibilidade.

São as paixões e não os interesses que conduzem o mundo

Alain Guzman (1868-1951), compositor e músico português.

Eu quero continuar escrevendo coisas do cotidiano e sobre experiências pessoais, para contribuir e auxiliar outros gays, fomentando a discussão. Também, os textos ficarão registrados no ciberespaço para as futuras gerações.

Incontáveis fatos e historias dos últimos oito anos me motivam pesquisar, conversar com pessoas, ouvir histórias e mesmo com erros e acertos, trazer ao leitor a minha visão simples sobre a realidade dos gays.

Através deste cantinho eu colecionei algumas amizades, de longe e de perto, porque de alguma forma, todos os leitores mais assíduos são  meus amigos.

Quem diria que um dia as ciências psicológicas e antropológicas descobririam que a orientação homossexual não é nem uma doença, nem uma perversão da natureza?

Pois é! Labuta e diversão

Vida que segue…

Publicado em História, Memória

Cinzas do Paraíso gay

blog_grisalhos_paulistanos_gayCaro leitor, enquanto reviso e finalizo a terceira parte do artigo intitulado “não sou homossexual”, vou preenchendo este espaço com outros escritos, para trazer minhas ideias aos leitores e não dar a impressão de que estou abandonando o blog.

O mundo está completamente diferente daqueles tempos da minha juventude e a liberdade individual é o único diferencial positivo para os homossexuais. As tecnologias chegaram com perspectiva revolucionária. Entretanto, as utopias sociais do passado não mudaram. Basta observar a constante luta pela igualdade, união estável entre pessoas do mesmo sexo, preconceito, religião, novos conceitos de família, etc.

Os jovens gays do presente serão os idosos de amanhã e talvez em 2055 a sociedade brasileira esteja noutro patamar, mas a vida desses jovens não será diferente da minha ou da sua.

Chegar às portas da terceira idade é um processo que muitas vezes passa despercebido por todos, porque como dizia um falecido amigo: Quem vive intensamente a juventude e a maturidade não têm tempo de pensar no futuro e quando se der conta o tempo passou e virá o tempo das memórias e das histórias para contar.

Hoje aos 57 anos eu posso afirmar: Vivi a juventude e a maturidade plena. Desde os idos de 1975, lá se vão mais de quarenta anos. Puxa vida! Quando eu penso nisso é que me dou conta da dimensão desses quarenta anos. As transformações da sociedade são impressionantes!

Quando jovem eu imaginava o futuro como as ficções vistas nos cinemas dos anos 70 e até tive devaneios com robôs gays saciando o meu desejo homossexual. Mas cá estou, sem robô viado e com os pés fincados no chão de terra da chácara no interior.

Naqueles tempos os jovens tinham dezenas de opções de lazer no circuito do entretenimento. Os gays sempre foram atraídos principalmente para as baladas noturnas porque foi assim que a sociedade os confinou nos guetos.

Dos males o menor, porque nos guetos surgiram as boates e a oportunidade de vivenciar a homossexualidade, aprender os truques da paquera e ter contato com um mundo repleto de pessoas iguais a você.

As boates fervilhavam na cidade de São Paulo e a diversão era marca registrada da juventude. Dançar, beber, paquerar e procurar o seu par no meio da multidão é o que todos buscavam e ainda buscam nos dias atuais.

Pouca gente sabe, mas até o Freddie Mercury foi ferver na boate Homo Sapiens em São Paulo, quando esteve pela primeira vez no Brasil em 1980.

Com o surgimento da AIDS houve um retrocesso na cena gay, mas simultaneamente os primeiros movimentos sociais LGBT tomavam forma e se organizavam para abrir as portas para as novas gerações e aqueles personagens pioneiros hoje ainda vivem e estão na mesma faixa de idade ou mais velhos do que eu.

Que fim levou Zezinho? Estudante de filosofia da Faculdade São Bento, sumiu depois de 1980. Januário era companheiro das baladas dos finais de semana e sonhava ter um marido maduro e grisalho. Foi para a Itália em 1982 e nunca mais tive notícias. Pedro e Luís Alberto eram carne e unha, até a maconha era dividida. Pedrinho morreu de overdose de cocaína e Luís sumiu no mundo.

Foi assim com Odair, Ricardo, Lauro, Joãozinho, Carlinhos e tantos outros. Às vezes tenho a impressão de que sou o único sobrevivente gay de um holocausto nuclear.

Eu tento ser ativo no meu contexto social, mas raras vezes encontro um conhecido daqueles tempos de ferveção, mesmo sabendo que dezenas deles morreram doentes e esquecidos no tempo.

Os sobreviventes que como eu conseguiram navegar naqueles mares tempestuosos estão isolados num admirável mundo novo de tecnologias que facilitam a vida e a comunicação, mas em contrapartida geram indiferença nas pessoas, pois cada um está vivendo no seu mundo particular, em redomas de vidro, com seus pets de estimação.

Talvez eu esteja errado, porque sempre tenho a sensação de que os meus amigos e conhecidos estão desaparecidos. Eu perdi o contato com a maioria, porque cada um seguiu seu caminho e a cena gay se espalhou pela cidade e desembarcou em todos os espaços públicos.

Os poucos gays com quem tenho contato falam pouco ou quase nada sobre homossexualidade, até parecem heterossexuais.  Tenho a sensação de inércia e acomodação dos gays maduros. Claro, não dá para ser rebelde a vida toda, isso é coisa para os jovens e nem os jovens dessa geração y ou z está interessada em rebeldia.

Também, ficamos seletivos e sossegamos o facho. Às vezes vem a vontade de sair à noite para dançar na boate, mas algo diz para deixar para lá, porque hoje sou um senhor de bigodes e cabelos brancos e vivenciei muita discriminação no meio gay.

O dia-a-dia é algo até surreal, porque antigamente você olhava para outro homem e se fosse heterossexual abaixava os olhos, senão era ir fundo na paquera. Hoje olhar para um homem não dá em nada e mesmo que ele seja gay não dá a mínima para você, ou talvez não dá atenção porque não sou jovem?

Hoje há muito respeito à individualidade, seja no elevador do prédio onde moro, seja no transporte público e mesmo na rua. Não tem graça andar de mãos dadas com o companheiro porque ninguém não está nem aí. Noutros tempos isso era motivo de prisão, atentado ao pudor. Hoje o máximo é um arranca rabo, bate boca e fim.

Aqueles viados dos anos 70 e 80 eram verdadeiros heróis da resistência, quebrando regras, levando porrada da polícia e sendo presos por mera questão de atentado à moral e bons costumes.

Outro dia eu fui ao supermercado perto de casa e ao atravessar a rua um velho conhecido passou por mim de carro, desacelerou, acenou e foi embora, nem deu bom dia. Viado esnobe!

Antigamente, os vizinhos de prédios residenciais compravam binóculos para observar as janelas dos outros. Hoje você pode ficar pelado na janela, pois ninguém está interessado na curiosidade, porque não há nada de novo nisso, o pudor ficou no passado.

A última vez que eu fui ao Shopping Center observei um casal gay, ambos jovens e de mãos dadas e até as mães mais conservadoras não deram atenção, porque isso é corriqueiro e já virou carne de vaca nas novelas das oito – Para uma centena de leitores de língua inglesa, carne de vaca é uma gíria brasileira para coisa comum, vulgar, banal.

Observando as redes sociais não encontro nenhuma biba bombando no Twitter, Facebook, Instagram ou Snapchat e lembrar da bicharada enfrentando a polícia, levando porrada e sendo trancafiada nas delegacias era motivo para ter a foto estampada nas páginas policiais dos jornais da cidade.

Hoje todos querem o seu minuto de fama, tão efêmera quando os fragmentos das minhas lembranças transformadas em cinzas daquele paraíso gay fervilhante, indescritivelmente belo, de músicas pulsantes, corpos suados, aromas e sabores, luzes e cores, lantejoulas, plumas e paetês.

Enfim, envelhecer e ver o mundo mudar é algo assustador, mas não é o fim. Adaptar-se às mudanças está na nossa natureza. Quem viveu, viveu, não volta mais!

Caro leitor, viva intensamente cada momento para preencher o livro da sua vida com histórias maravilhosas, porque isso é o que importa e os resto são cinzas.

Publicado em cotidiano, Sexualidade

Pequenas atitudes podem nos surpreender

deficiente_visualOi Regis! Lembra de mim, a bicha cega e confusa que pediu conselhos a você há alguns meses? Pois bem. Agora eu me converti a uma igreja evangélica e sou um ex-gay! brincadeira. Minha vida mudou muito desde a última vez em que conversamos. Vou contar por partes.

Após muita relutância, resolvi entrar em um grupo de deficientes gays no Facebook. Por meio dele, entrei em outro grupo, desta vez no whatsapp, de deficientes gays e devotees (pessoas que não são deficientes, mas se interessam por quem tem deficiência).

Sem querer me gabar, nunca pensei que eu fosse tão gostoso, visualmente falando! Kkkk. Toda hora eu recebia uma cantada de deficientes e não deficientes do tipo: “Nossa como você é lindo. Oi te achei isso e aquilo! Vamos conversar?”

Finalmente, após anos de sentimentos de inferioridade ou de inadequação eu estava me encontrando. Embora nenhum more perto de mim, consegui despertar um interesse maior em alguns homens: um cara do Rio de Janeiro, sem deficiência, o qual já me considera como namorado apesar da distância, um de São Paulo, que é cadeirante, e outro da Paraíba, também cadeirante! Todos os 3 coroas suuuuuuper gostosos, a julgar pelas vozes! Vale ressaltar que o cara do Rio que não tem deficiência não está no grupo do whatsapp. Esse eu conheci no grupo do Facebook.

Além disso, após tantas cantadas, minha auto-estima e coragem aumentaram tanto, que resolvi cantar um cara cego que tenho no face, mas que não estava em nenhum dos grupos citados. Eu sequer sabia se ele curtia homens ou não, e por sorte ele curtia! Tá doidinho pra me comer. E eu doida, louca, desnorteada pra dar pra ele! Kkkkk.

Ele tá tão animadinho que disse que vem à minha cidade a hora que eu quiser. Basta combinarmos!

Não preciso nem falar que qualquer sentimento de auto-rejeição que eu tinha acabou né? Sem brincadeira. De fevereiro pra cá, devo ter recebido umas 20 cantadas do Brasil inteiro! Costumo brincar que, se continuar assim, daqui a pouco viro patrimônio nacional!

O mais interessante é que eu devo ter cara de moça de família, porque a maioria dos caras que me canta quer coisa séria! Já discuti até adoção com alguns deles! Ah, se eles soubessem! E pensar que eu não queria absolutamente nada no ambiente virtual… “que bicha burra eu fui!” Bom, antes tarde do que nunca!

Você deve estar se perguntando: “””mas… E na vida real? Não aconteceu nada?” Aconteceu! Calma calma. Não dei ainda, mas fiz algo que com certeza vai me ajudar no encontro por sexo real.

No último e-mail, me abri com você sobre a dificuldade que eu tinha em andar sozinho, meus medos e inseguranças! Desde semana passada tenho ido sozinho para o trabalho e tem sido a melhor experiência da minha vida até então.

Para você ter uma ideia da sensação, se imagine saindo do armário com o apoio quase total da sociedade! Imaginou? A sensação de independência que andar sozinho me proporcionou chega a ser melhor!

O mais interessante é que eu fiquei seguro em várias áreas da minha vida, inclusive na amorosa, após tal feito! Não sei explicar… É bom demais para ser explicado em um e-mail.

Por enquanto é só isso. A propósito, parabéns pelo blog! Quanto mais eu leio, mais eu gosto!

P.s: espero que você não considere homofóbicos os termos que uso para referir-se a mim, tais como “bicha cega” e similares. Faço isso porque achei legal a junção das palavras.

É uma forma de chocar pessoas duplamente. Como sou bem resolvido com minha deficiência e minha homossexualidade, não me importo em me chamar de cego, de bicha ou de bicha cega! Quem me vê nem imagina. Por fora, um ser tímido, discreto e com carinha de anjo ingênuo e inocente. Por dentro, uma diaba prestes a explodir de prazer por aí!

Publicado em Relacionamento, Sexo

Um triangulo amoroso gay

gays_idosos_couplesQuando se fala em relação a três, imediatamente, nos vêm à cabeça as relações heterossexuais, mas essa situação também ocorre entre os gays e é mais comum do que imaginamos.

As relações homossexuais, invariavelmente, acontecem entre duas pessoas, principalmente quando se está solteiro e buscando um parceiro para sexo casual, onde algumas situações transformam-se em relações mais duradouras.

Fala-se muito em traição quando um dos parceiros busca sexo com um terceiro. Isso acontece tanto no universo heterossexual quanto no homo, pois essa dualidade é o principal drama humano, não é exclusivo dos homens e se replica nas questões do sagrado identificado como o amor e o profano identificado como o sexo.

Apesar de comum é um processo conflituoso e doloroso, pois nos dividimos entre os ideais de romantismo e os apelos da carne.

Não é tão simples convencer o parceiro a abrir mão da monogamia ou tornar-se adepto do sexo livre e sem compromisso. Há casos incomuns e um deles eu relato a seguir:

Oscar um quarentão manteve relação monogâmica por três anos com Carlos, um coroa de sessenta e dois, até que um dia Carlos se apaixonou por Guilherme outro coroa de sessenta e cinco anos.

O Oscar era ativo na relação com o Carlos que não se satisfazia com o sexo do parceiro e numa das suas escapadas foi à sauna e conheceu Guilherme o coroa dos seus sonhos. Forte, peludo e bem dotado, além de ativo às vezes gostava de ser passivo.

Após alguns meses Carlos levou o Guilherme para a casa do Oscar para apimentar a relação e de cara houve a química entre os três e o primeiro sexo entre eles ocorreu como “trenzinho”, porque num mesmo ato, Guilherme metia no Carlos, enquanto o Oscar metia no Guilherme. Louco não?

Depois de um ano Oscar liberou geral e também começou a ser o vagão central, enquanto ele enrabava o Carlos, o Guilherme satisfazia-se metendo no Oscar. Os três também praticavam simultaneamente sexo oral e anal, o que amarrou de vez os três na relação – Conjunção perfeita!

Em 2013, eles decidiram morar juntos numa chácara no interior paulista, após Oscar mudar de atividade profissional dedicando-se à criação de cães.

Interessante nessa história verídica é o ciúme dos três quando um parceiro do trio insinua-se para um quarto elemento, todos se vigiam porque estão envolvidos emocionalmente. Enfim, eu penso que esse é um caso raro de triangulo amoroso, pois a tolerância vai além dos limites das emoções.

Tudo bem, que ninguém é dono de ninguém, mas neste caso cada elemento do trio tem dois amores e isso é fácil de compreender, pois é possível amar duas pessoas.

Neste triangulo ninguém sacrifica seus desejos, há uma conjunção ideal entre o romantismo e os desejos carnais, mas ai de quem sair da linha!

O amor é lindo e mesmo assim tudo é efêmero, pois quando um dos parceiros partir ou falecer como fica essa história? Possivelmente, chegará ao fim, ou não?

E saber que a maioria dos gays vive sozinho…

Também, esse tipo de situação é fetiche para muitos gays.

Publicado em Uncategorized

A minha história dos Grisalhos

Os grisalhos gordinhos - Chubby DaddiesEu sempre gostei das tecnologias, mesmo antes de me descobrir homossexual, lá nos idos de 1969, quando o homem pisou na lua.

Depois de uma adolescência de rebeldia e repressão nos anos da ditadura, eu cheguei à maturidade com muitos propósitos e sonhos.

Infelizmente nem tudo acontece como planejamos, se é que planejamos. Com o falecimento da minha mãe em 1986, recomecei a vida do zero e fui morar num apartamento no centro de São Paulo.

Depois de uma década difícil e de muita luta, eu decidi mudar os rumos da minha história. Eu me formei em Contabilidade em 1983 e sempre trabalhei em contabilidade ou administração. Entre 1987 e 1990 vaguei sem rumo e sem objetivos, até que tudo mudou.

Em 1998 eu decidi fazer outra faculdade, desta vez na área de tecnologia e durante os quatro anos seguintes eu mudei a minha forma de ver o mundo. Uma vez um professor disse para alguns colegas de classe: Se você quer ganhar dinheiro com tecnologia, abra um site de sexo.

Comprei a ideia, em 1999 abri um pequeno site chamado Aquarius, com fotos de homens maduros nus. Naquela época ver uma foto na Internet era algo impensável.

Imagem do site pago dos grisalhos - 2002
Imagem do site pago dos grisalhos – 2005

O site evoluiu e registrei o domínio grisalhos.com.br. Era um site pago, que além de fotos, tinha um chat, anúncios classificados, contos eróticos e pequenos vídeos editados de filmes americanos.

Não fiquei rico, mas durante dez anos, entre 1999 e 2009 trabalhei com prazer porque descobri um mundo que nem eu mesmo sabia que existia: Homens que gostam de homens maduros ou idosos.

Aí, um dia eu pensei: Acho que vou parar, pois aquele formato já estava saturado. Foi então que surgiu a ideia de escrever o blog, como um complemento do site. No início não deu certo, porque os homens buscavam na Internet, o prazer através de imagens e vídeos de homens praticando sexo e buscavam parceiros, exclusivamente, para sexo. Ninguém estava interessado em textos longos e cansativos.

Mantive o site até 2011 quando decidi encerrá-lo e focar apenas no blog. Eu queria falar da minha homossexualidade e das experiências de tantos outros, colegas, amigos e gente que conheci durante o tempo que mantive grisalhos.com.br –  Hoje Grisalhos é um trabalho social, minha retribuição aos doze anos do site comercial.

Imagem blog - maio/2009
Imagem blog – maio/2009

O blog era algo novo, porque não existiu ou existe no Brasil, um blog tão longevo que trate de questões da homossexualidade de homens maduros e idosos de uma forma direta e honesta. Ninguém fala sobre solidão, doenças, sonhos, frustrações e amor.

O blog evoluiu junto com seu criador, chegou à maturidade precocemente e atingiu o ápice em 2013 com mais de 1,5 milhões de visualizações, com média diária de três mil pessoas.

Continuei escrevendo minhas histórias de vida e sempre com muito positivismo, porque sempre acreditei que os gays merecem o melhor. Nós merecemos ser tratados e tratarmos os outros com mais bondade, mais amor.

Em janeiro de 2015 quando o blog completou seis anos, eu percebi que a audiência estava em declínio, por diversos fatores. O principal deles era o Facebook que direciona para os seus serviços de compartilhamento de imagens e vídeos. A página dos Grisalhos naquela plataforma tem pouco mais de 1400 seguidores e não cresce porque não coloco conteúdo, uso como ponte para publicar os artigos do blog.

Há alguns meses pensei em parar de escrever, porque o que eram três mil visitantes por dia, passou para pouco mais de 600 internautas interessados naquilo que escrevo.

Aí, de repente, do nada, eu vi a audiência crescer novamente, chegando a quase quatro mil visitantes/dia na semana passada. Após rastrear os links, percebi que estavam compartilhando meus posts antigos em páginas do Facebook. Um post em especial recebeu a atenção dos compartilhadores: Reflexões sobre a solidão de um gay maduro – com mais de dez mil leituras entre os dias 14 e 20 de setembro/2015.

As tecnologias se renovam e se transformam em outras formas de comunicação, como o Whatsapp, twitter e uma incontável gama de Apps.

Antes, a navegação era norteada por links, com páginas fazendo ligações umas com as outras de acordo com conteúdos comuns. Agora, os internautas encontram informação de acordo com o que é determinado por algoritmos das redes sociais.

Um amigo disse que os blogs estão morrendo, assim como toda a internet que foi construída na ideia dos hiperlinks e ele não está errado.

Eu particularmente acredito que as mídias sociais e os Apps dificultam a difusão de conhecimento, porque tudo é muito descartável.

Eu torço pelas plataformas de blogs não sumirem, porque em tecnologia seis meses equivale há décadas e seis anos a uma era.

Portanto, caro leitor dos grisalhos, enquanto existir a tecnologia do blog eu continuarei a escrever, mesmo com poucos leitores, porque o importante é compartilhar ideias e experiências. Tenha a certeza que eu também aprendo muito com os seus comentários.

Enfim, os grisalhos ainda sobrevive no mundo dos hiperlinks, dos blogs escritos em editor de texto, com corretor ortográfico, de poucas imagens e muitas ideias e conteúdo, que se não estará perdido, ficará no hiperespaço para as futuras gerações.

Publicado em Contos da cidade, Relacionamento

Crônica de amor do João

1776594109-ensaio-traz-casais-gays-dos-anos-80-3348304035-323x479João, um prenome muito comum na língua portuguesa, desde cedo sabia que era homossexual. Ele define o mundo gay como um estereótipo do corpo malhado e rostos jovens. Na contra mão da preferência da maioria, João gosta de homem maduro, barriga saliente e se for calvo e tiver bigode, melhor ainda.

Ele sabe que o seu gosto vai além do fetiche, pois quando vê um homem maduro o seu cérebro reage de tal forma que o carinho e o afeto tornam-se necessidades vitais.

Naquele ano de 2007, ele conheceu um coroa, branco, alto, barrigudo e calvo, típico descendente germânico. Foi paixão avassaladora; sim, paixão da braba, aquele que te pega pelo dedão do pé na hora que você vai dormir.

O coroa era casado há mais de 40 anos e vivia com a mulher, filhos, netos… Naquela louca paixão João largou o emprego e fugiu para a cidade do seu homem. Houve reciproca, e como! O coroa em pouco tempo deixou o casamento e foi morar com ele. Na verdade, ele apenas ratificou sua separação. Já não existia casamento há anos.

Bem, em pouco tempo João descobriu que a paixão era amor, pois aguentou muitas situações ruins decorrentes do rompimento do matrimonio do amante e mesmo assim teve forças para continuar.

Por capricho dos Deuses ele foi aceito em um mestrado na Espanha e de mala e cuia mudou-se para lá. No aeroporto a despedida foi traumática, o coração do João se partiu em dois, um lado, a ilusão do cara pobre que conseguiu sair do país para estudar, e do outro, uma tristeza sem fim, mesclada com desespero, choro e raiva.

Mas ele não desistiu.  Quando chegou à Espanha, começou a buscar formas para que coroa pudesse ir. Não foi fácil, afinal para um homem, com mais de 60 anos, uma mudança de vida tão drástica seria difícil. Mas eles superaram; João arrumou um curso de castelhano, cultura espanhola e em janeiro de 2010, o coroa embarcou para a Europa.

No aeroporto do outro lado do Atlântico, João teve vontade de levar seu homem ao banheiro dos deficientes físicos, porque o movimento de pessoas, ali era menor, mas foi no saguão mesmo, ele deu um longo abraço e juntos seguiram para casa.

Assim, contando nos dedos, eles estão juntos há quase quatro anos. A diferença de idade às vezes pesa um pouco, mas ele sabe que já aprendeu a lidar com isso, por outro lado, seus amigos que sentem tesão por coroas não conseguem manter a relação por mais de uma semana.

No cotidiano o João ainda tem surtos de adolescente, mas a convivência com um homem de sessenta e poucos anos, mesmo que ranzinza e enjoado, ajuda no amadurecimento pessoal.

Eles fazem sexo, nem tanto quanto no início. A amizade permeia o relacionamento e fazem praticamente tudo juntos. Ainda não enjoaram da cara um do outro, tem tudo para dar certo, mesmo num pais estrangeiro neste início de inverno europeu, em dezembro 2011.

Essa história real estava engavetada há três anos e nesta semana algo me dizia que eu devia publicá-la. Pois bem, ai está! Então me pergunto: Como será que anda a vida do João? Será que ainda está na Espanha? E o mestrado? O parceiro? O romance? A vida?

Mande notícias João!