Arquivos do Blog

Diz que me ama e transa com estranhos

raphael_perezÉ mais comum do que se imagina, ver homens pulando a cerca e buscando parceiros para sexo fora da relação estável entre casais do mesmo gênero.

No passado este tipo de comportamento gerou rótulos sobre a promiscuidade e a infidelidade dos gays, pois assim como os heterossexuais, a traição sempre foi vista como falta de caráter, desvio de conduta, compulsão por sexo, pessoa falsa e aproveitadora dos sentimentos alheios.

E porque isso acontece?

O principal motivo é a falta de tesão no parceiro.  A experimentação do sexo com estranhos e sem vínculos afetivos é uma forma de sentir-se vivo e com muito tesão.

Também, longas convivências esfriam o desejo carnal e neste universo da carne cada dia é uma incógnita e novos corpos vão aguçar o desejo.

A traição é uma das maiores dores que alguém pode sentir na vida. Quem já passou por isso sabe bem o que é se decepcionar com uma pessoa que muitas vezes você se doou por inteiro.

Quem é traído, se sente a pior pessoa do mundo, depois de tanta dedicação e amor, foi trocado, muitas vezes, pela “primeira opção que passou na rua.”

Como diz a letra da música da Rita Lee: Amor é cristão, sexo é pagão.

Há pessoas que são insaciáveis e precisam praticar o sexo diariamente, dia sim dia não ou com menor frequência pelo menos uma vez por semana. Se o parceiro não dá conta dessa saciedade, obviamente, busca-se outros parceiros para preencher as lacunas do desejo.

Outra situação é encontrar um amante mais belo, como direi, mais gostoso, porque a comparação com o parceiro da relação estável é inevitável e ocorre a todo momento, todos os dias e principalmente longe dos olhos do companheiro.

É comum, um dos parceiros buscar outro corpo para saciar seus desejos mais íntimos e secretos. Isso passa necessariamente por experimentar outras formas e papeis sexuais. Se na relação estável ele é ativo, na relação eventual pode ser passivo, pratica sexo oral com estranho, mas não faz com o parceiro. É a conhecida história da mulher santa. O companheiro é o santo e puro na história e os parceiros fora da relação são as amantes e putas de plantão.

A traição devido à idade também acontece, principalmente, se um dos parceiros é muito idoso e não tem mais ereção, mesmo que seja o passivo, porque o envelhecimento, as rugas e a pele flácida não é atrativo para a prática sexual.

Existem os compulsivos e mesmo amando o parceiro, sempre haverá buscas por outros corpos e a compulsão leva o indivíduo a arriscar-se em cinemas, banheiros e saunas.

Amar não é sinônimo de propriedade e nos dias atuais as relações abertas são acordos informais para a prática do sexo, sem a preocupação de ser observado e criticado por amigos ou pelo próprio traído. Seria a melhor solução se fosse óbvio, mas nem sempre o parceiro aceita dividir a cama com um estranho. 

Eu conheci uma dezena, talvez duas, de traições entre parceiros. É sempre a mesma história, dizendo que fraquejou, errou e que não acontecerá novamente. Basta surgir a oportunidade e tudo recomeça. Isso está no DNA do ser humano.

Na verdade, os gays estão sempre na busca da perfeição, o parceiro ideal, bom de cama, bonito, gostoso, inteligente, com grana no bolso e que faça sexo diariamente por toda a vida, além de nos amar é claro!

Trocar o parceiro por um estranho para práticas sexuais não é crime. A fidelidade nunca foi requisito para viver uma relação estável, logo e principalmente no meio gay isso é comum porque não existem muitos vínculos com pessoas (esposa, marido, filhos, netos, etc).

As relações entre pessoas do mesmo sexo ainda são vistas pelos gays como relações clandestinas, ou você que tem um parceiro e está numa relação estável nunca se imaginou fazendo sexo com outro homem?

Anúncios

A eterna busca do parceiro ideal

rainbow-68202_640Outro assunto recorrente aqui no blog é a eterna busca dos jovens, maduros e idosos por parceiros, preferencialmente, para relação estável.

Na juventude quando descobrimos nossa homossexualidade, a busca por parceiros torna-se uma forma de aprendizado sexual, porque tudo é novidade. Alguns demoram mais do que outros, por conta do medo, da não aceitação, da timidez e a da inexperiência nas relações sociais.

Ultrapassada a primeira etapa de assimilação das práticas sexuais, o mundo gay se descortina.

A busca por parceiros é uma coisa até bizarra. A regra geral: Faça de tudo para conseguir um parceiro, insinue-se, dance, beba, grite, se entregue, faça caras e bocas, mas não perca o bofe e se perder não desanime porque alguma cigana vai enfiar na sua cabeça, que vai aparecer um PARCEIRO na sua vida. Que Vênus na casa VII é a casa das parcerias, e que essa busca é uma questão na sua vida. É a velha manjada busca da “alma gêmea”… A tão incompreendida e lendária busca pelo parceiro ideal.

O tempo passa e o vaticínio da cigana não se concretiza e ai o negócio é buscar sexo com qualquer corpo. Quem sabe isso não se transforme numa relação e o parceiro ideal estava ali perdido num fim de noite.

Na busca pelo parceiro ideal o sexo vem sempre primeiro, é aquela questão de pele, mas não vivemos apenas de sexo. O sexo faz parte do processo e outras coisas são relevantes: conversar, compartilhar momentos de alegria, no bar ou na balada. Precisamos de alguém para compartilhar pensamentos, dúvidas, sonhos, ideias e não apenas a cama.

Infelizmente as pessoas se jogam no mundão em busca de um belo corpo, homens dotados, musculosos, endinheirados, com carrão e vida financeira sossegada.

Ai você diz: Regis, não é bem assim! Claro que é. Ninguém quer o cara feio, magricela, pobre, mal vestido, com deficiência física ou com alguns neurônios a menos. Há exceções, mas é minoria porque o bem sucedido é o que nos aproxima da perfeição. Os gays querem sucesso não apenas para si, mas para mostrarem aos outros.

Na juventude eu tive um relacionamento com um coroa surdo e mudo. O homem era bonito e o sexo era maravilhoso, mas ai eu pensei: como vou apresentar este homem na minha roda de amigos?  O que vão pensar de mim? Vão colocar defeitos e eu não quero passar por constrangimentos. Moral da história: Um mês depois, larguei o bofe, com as desculpas mais esfarrapadas – Ele merecia ser amado e paparicado porque era alguém especial, mas eu buscava o homem ideal.

0Buscamos o melhor, o mais bonito e perfeito e nos decepcionamos quando o gostosão nos dá um pé na bunda. Ninguém gosta de levar um fora, mas isso faz parte das relações.

Então passamos anos dando com a cara na porta, levando bordoadas, encontrando príncipes e sapos, mais sapos do que príncipes. Amadurecemos e nunca desistimos de encontrar o parceiro ideal, mas a maturidade nos traz para o mundo real e se não fazemos concessões ficamos sozinhos. Para alguns serve qualquer um, para outros tem que ser o melhor.

É preciso entender que se já é difícil encontrar alguém para um relacionamento, imagine então não fazendo concessões. É imprescindível abrir mão de muitas particularidades para manter uma relação mais estável. Amar e gostar implica em doação e quem doa não olha a quem. Todos têm defeitos, mas poucos querem corrigir os seus e compreender os do próximo. Tem que deixar de exaltar os defeitos dos outros e tentar corrigir os seus, assim, as virtudes sobressaem ao negativismo exacerbado das imperfeições.

Não vou dizer que não existe amor nas relações, claro que existe! É difícil encontrar a alma gêmea e quando aparece vive-se um mundo infinito. O negócio é cair de cabeça na relação e é isso mesmo o que tem que ser feito – Viver intensamente o amor porque ele pode ser único e nunca mais aparecer outro. Aliás, cada ser humano é único.

No último domingo quando cheguei da chácara, parei na padaria perto de casa para tomar café e encontrei um conhecido, ele estava sozinho e triste, porque o seu companheiro mudou de comportamento, não quer mais visita-lo, quer viver a vida dele. São três anos de relacionamento e o Zé Carlos acha que a vida não terá mais sentido sem o namorado. Claro que terá sentido, basta encarar a fase de mudanças porque tudo passa. Ele está fragilizado, emagreceu, não tem mais o brilho nos olhos e calado sofre as ausências frequentes do amante.

Ai eu falei: Zé, você tem sessenta e cinco anos e ainda não aprendeu que nos relacionamentos há perdas e ganhos? Namoros começam e terminam todos os dias. Você vê isso acontecendo com os outros e nunca pensou que pudesse acontecer com você. Pois é, aconteceu!

A busca pelo parceiro ideal também é um fator que gera conflitos e perdas, inclusive, para os gays que estão em relacionamentos – O cara tem um companheiro, mas está sempre de olho naquele bofe escândalo que vez ou outra cruza o caminho. Não satisfeito com o que tem busca-se mais, o melhor, o perfeito e ideal.

Mas o tempo passa e quando se dá conta envelheceu. Eu entendo que na velhice perdas são mais difíceis de assimilar, seja por rompimento da relação ou por morte do parceiro. Não é fácil, mas não é o fim do mundo. Já não bastam as fragilidades físicas e ainda tem que encarar o fim de caso.

Existem tantas coisas para fazer na vida que não dá para ficar orbitando  um planeta chamado parceiro ideal com um satélite chamado sexo.

… Enquanto isso no mundo gay, milhares de homens solteiros aguardam a hora de encontrar o parceiro dos seus sonhos. Eles acreditam que vão encontrar e não estão errados. O ser humano não nasceu para viver sozinho, logo, tem que acreditar mesmo!

Se tudo correr bem um novo parceiro entra na sua vida e aquele aprendizado sexual do segundo parágrafo retorna, com fogo e paixão e tudo não será mais novidade. Não se perderá tempo com detalhes, pois o medo ficou no passado e mesmo se ainda não se aceitou como homossexual cumprirá todas as rotinas pré-estabelecidas das relações e aos tímidos não haverá empecilhos para encarar mais uma vez o momento de se relacionar, buscando sempre a satisfação carnal e transbordando o cálice de emoções plenas.

Curiosidades:

>> Numa pesquisa realizada em 2014, mais de dois milhões de gays brasileiros buscavam parceiros pela Internet.

>> Cidade com mais homens gays em busca de sexo casual:

  • Salvador
  • São Paulo
  • Brasília
  • Curitiba
  • Belo Horizonte
  • Rio de Janeiro
%d blogueiros gostam disto: