Arquivo da categoria: Relacionamento

Essa Estranha Atração

estranha atraçãoCaro leitor, a atração que sentimos por homens é algo além do nosso entendimento, porque a infinidade de opções não nos permite definir um perfil físico ideal. Como diz o ditado: para cada feio existe o belo e vice-versa.

Outro dia eu observei um homem de aproximadamente 40 anos paquerando outro na mesma faixa de idade e a diferença física entre eles era surreal. O primeiro era magro, imberbe, cabelos castanhos, pele clara e altura para mais de 1,80. O segundo homem era baixo, pele morena, cabelos com leve calvície, poucos pelos e com sobrepeso. Enfim, pude observar que se entenderam e saíram para passear e ajustar os detalhes para um relacionamento.

Que me perdoem os conservadores, mas as relações partem do físico para o sentimento, é carnal mesmo! Não creio ser possível amar qualquer um, sem ter afinidade física, porque primeiro idealizamos um parceiro com todas as características físicas enraizadas no nosso subconsciente e após os primeiros contatos físicos vão surgindo os primeiros sinais de que gostamos e amamos aquele homem.

Em geral os gays sempre buscam um corpo para depois buscar um amor e esse é o principal motivo das frustrações e dos desencontros amorosos. Idealiza-se o homem ideal e quando ele se apresenta faz-se um cenário de obsessão, quase loucura! Leva-se em conta até o tamanho do cacete!

Obviamente existem outros fatores e características nas relações, mas sempre partindo da idade porque balizamos nossas relações por faixa etária, depois do físico, então se coloca na balança a cultura, o status socioeconômico, e outros fatores comportamentais agregadores de valor.

Você já se viu em relações complicadas? Pois é, isso ocorre porque a soma de todos os fatores gera o resultado do que você idealizou, mas nem tudo vem à tona em pouco tempo e aos poucos se percebe que o parceiro tem defeitos como qualquer ser humano e esses defeitos são invariavelmente comportamentais.

O que cativa qualquer um, é um parceiro com o mínimo de defeitos e quando nos apaixonamos fazemos vistas grossas e relevamos muitas atitudes em prol dos principais pontos dos nossos desejos físicos.

De que adianta ter um deus grego ao seu lado se ele é uma mula. Quem não gosta de parceiros inteligentes, sensíveis e com bom repertório cultural? Também, se o futuro parceiro é carne de vaca no açougue do mundo gay, ele será excluído da lista de pretendentes e por mais que exista atração física, a relação não passará de uma ou duas fodas mal dadas apenas para saciar seus desejos e tirar da cabeça aquele gostosão sempre disponível em bares, saunas e boates.

Enfim, essa estranha atração pode leva-lo a relacionamentos jamais imaginados e não é porque o Kevin Spacey saiu do armário que o mundo vai mudar.

Novembro chegou e se você não faz exame de próstata regularmente, aproveite a campanha e corra para o médico – Novembro Azul.

Leia o post de 2012:  O mundo gay e o mundo fora dele.

Anúncios

Diz que me ama e transa com estranhos

raphael_perezÉ mais comum do que se imagina, ver homens pulando a cerca e buscando parceiros para sexo fora da relação estável entre casais do mesmo gênero.

No passado este tipo de comportamento gerou rótulos sobre a promiscuidade e a infidelidade dos gays, pois assim como os heterossexuais, a traição sempre foi vista como falta de caráter, desvio de conduta, compulsão por sexo, pessoa falsa e aproveitadora dos sentimentos alheios.

E porque isso acontece?

O principal motivo é a falta de tesão no parceiro.  A experimentação do sexo com estranhos e sem vínculos afetivos é uma forma de sentir-se vivo e com muito tesão.

Também, longas convivências esfriam o desejo carnal e neste universo da carne cada dia é uma incógnita e novos corpos vão aguçar o desejo.

A traição é uma das maiores dores que alguém pode sentir na vida. Quem já passou por isso sabe bem o que é se decepcionar com uma pessoa que muitas vezes você se doou por inteiro.

Quem é traído, se sente a pior pessoa do mundo, depois de tanta dedicação e amor, foi trocado, muitas vezes, pela “primeira opção que passou na rua.”

Como diz a letra da música da Rita Lee: Amor é cristão, sexo é pagão.

Há pessoas que são insaciáveis e precisam praticar o sexo diariamente, dia sim dia não ou com menor frequência pelo menos uma vez por semana. Se o parceiro não dá conta dessa saciedade, obviamente, busca-se outros parceiros para preencher as lacunas do desejo.

Outra situação é encontrar um amante mais belo, como direi, mais gostoso, porque a comparação com o parceiro da relação estável é inevitável e ocorre a todo momento, todos os dias e principalmente longe dos olhos do companheiro.

É comum, um dos parceiros buscar outro corpo para saciar seus desejos mais íntimos e secretos. Isso passa necessariamente por experimentar outras formas e papeis sexuais. Se na relação estável ele é ativo, na relação eventual pode ser passivo, pratica sexo oral com estranho, mas não faz com o parceiro. É a conhecida história da mulher santa. O companheiro é o santo e puro na história e os parceiros fora da relação são as amantes e putas de plantão.

A traição devido à idade também acontece, principalmente, se um dos parceiros é muito idoso e não tem mais ereção, mesmo que seja o passivo, porque o envelhecimento, as rugas e a pele flácida não é atrativo para a prática sexual.

Existem os compulsivos e mesmo amando o parceiro, sempre haverá buscas por outros corpos e a compulsão leva o indivíduo a arriscar-se em cinemas, banheiros e saunas.

Amar não é sinônimo de propriedade e nos dias atuais as relações abertas são acordos informais para a prática do sexo, sem a preocupação de ser observado e criticado por amigos ou pelo próprio traído. Seria a melhor solução se fosse óbvio, mas nem sempre o parceiro aceita dividir a cama com um estranho. 

Eu conheci uma dezena, talvez duas, de traições entre parceiros. É sempre a mesma história, dizendo que fraquejou, errou e que não acontecerá novamente. Basta surgir a oportunidade e tudo recomeça. Isso está no DNA do ser humano.

Na verdade, os gays estão sempre na busca da perfeição, o parceiro ideal, bom de cama, bonito, gostoso, inteligente, com grana no bolso e que faça sexo diariamente por toda a vida, além de nos amar é claro!

Trocar o parceiro por um estranho para práticas sexuais não é crime. A fidelidade nunca foi requisito para viver uma relação estável, logo e principalmente no meio gay isso é comum porque não existem muitos vínculos com pessoas (esposa, marido, filhos, netos, etc).

As relações entre pessoas do mesmo sexo ainda são vistas pelos gays como relações clandestinas, ou você que tem um parceiro e está numa relação estável nunca se imaginou fazendo sexo com outro homem?

%d blogueiros gostam disto: