Arquivo da categoria: Campanha

Criança Viada

obras-de-bia-leite-no-queermuseu-um-trabalho-atento-e-delicado-para-se-conversar-sobre-infancia-e-violencia-explica-a-artista-1505228855507_v2_900x506Caro leitor, é incrível como as pessoas são desinformadas e entram em discussões sem conhecimento de causa. Portanto, decidi escrever com mais detalhes sobre o Criança Viada.

Origem:

Criança Viada surgiu em 2011, na plataforma da rede social Tumblr.com. O canal foi batizado por Cainho um dos primeiros frequentadores da página que foi administrada pelo jornalista Iran de Jesus Giusti.

A página recebia imagens dos internautas quando criança, em sua maioria gays e as frases que acompanhavam as fotos eram escritas por Iran.

A intenção era celebrar as imagens e fotos, que durante toda a infância eram motivos de xingamentos e violência.

Gravuras:

A artista cearense Bia Leite, soube como ninguém transpor para as telas em forma de gravuras coloridas e alegres as principais imagens do Criança Viada, tanto que sua obra ganhou prêmios e chegou a ser exposta no XIII Seminário LGBT, Brasília 2016.

As principais obras são: Travesti da Lambada, Deusa das Águas, Adriano Bafônica e Luiz França de She-há. Nas telas todas as crianças sorriem e os textos enaltecem as crianças desviantes chamando-as de deusas ou nome de super-heroínas.

Polêmicas:

Enfim, sobre o rebuliço dessas obras na exposição do Santander Cultural, deu no que deu e virou manchete nacional e até internacional, por conta de textos distorcidos e com associação à pedofilia. Como eu disse no post de ontem, isso tudo tem cunho político, moralista e religioso.

Nada do que disseram é verdade porque esse povo de merda não conhece nada, e mais especificamente o que acontece com suas crianças. Todos nós gays já fomos criança um dia e somente nós sabemos nossas alegrias e tristezas da infância.

Quase ninguém tem a mínima ideia de que a nossa identidade se inicia na infância e desde cedo reprimimos nossa identidade e nossa forma de ser neste mundo por conta, principalmente, do bullying.

Trabalho Social.

Caro leitor, se você não sabe o jornalista Iran Giusti faz um trabalho social maravilhoso na Rua Condessa de São Joaquim 277, no bairro da Bela Vista em São Paulo.

Iran nasceu em Pirituba na periferia de São Paulo, de família humilde conseguiu seguir nos estudos. Formado em Relações Públicas na FAAP, Fundação Armando Alvares Penteado, jornalista por profissão e está conduzindo uma revolução em sua vida e na dos moradores da capital. Em 2016, saiu de um emprego fixo no site BuzzFeed e decidiu abrir o Casa 1, um centro de acolhimento para o público LGBT.

O começo dos trabalhos ocorreu em 2015 quando ele abriu as portas do seu apartamento para receber pessoas LGBT que foram expulsas de suas casas e estavam desabrigadas.

Iran é um empreendedor nato, um ser de luz e faz o que gosta para tornar o mundo à sua volta melhor.

Facebook do Casa 1:

Quem quiser colaborar ou se associar, visite o site de crowdfunding benfeitoria

Anúncios

Da leitura aos filmes gays e às ONGs

211524191vf4a6a0Caro leitor dos grisalhos, você sempre me pergunta através de Email como eu adquiri tanta experiência e como tenho tantas histórias para contar, além da minha compreensão e aceitação da homossexualidade.

Para entender quem eu sou ou porque sou gay, não bastou apenas crescer, amadurecer e adquirir experiência de vida. Uma das melhores maneiras de entender a minha homossexualidade foi buscar na leitura, as razões de ser diferente.

Os gays  tem à sua disposição uma gama de opções de literatura, seja ficção, romance, fatos reais, trabalhos acadêmicos e a Internet com uma diversidade de informações, inclusive, este blog.

Quem tem hoje acima dos cinquenta anos, nasceu até meados dos anos 1960 e naquela época, além da repressão da ditadura militar, o mercado editorial brasileiro era restrito e praticamente não existia literatura específica, salvo obras clássicas da Europa e Estados Unidos..

Muitas histórias da literatura gay, por exemplo, foram transformadas em filmes. Tem gente que não gosta de ler, mas gosta de assistir filmes. Eu gosto dos dois, mas sempre gostei de assistir filmes de todos os gêneros e os temáticos sempre foram meus preferidos, daí derivou uma coleção que hoje tem mais de trezentos títulos, além de muitos títulos duplicados.

Na minha estante tem de tudo um pouco e abrange praticamente todo o universo homossexual e bissexual: lésbicas, travestis, transexual, gay masculino jovem, maduro ou idoso.

Cada filme sempre ocupou um espaço na minha vida para a reflexão, seja no drama, na comédia ou tragédia e mesmo um filme sobre lésbicas sempre tirei lições para a minha vida, porque a única diferença é o gênero.

O primeiro filme que assisti no cinema foi Morte em Veneza em 1974 e de lá para cá eu viajei por incontáveis histórias do universo homossexual, masculino e feminino.

Hoje tem sempre um filme temático em cartaz e muitas produções brasileiras, o que me aproxima ainda mais da minha realidade.

Eu gosto de assistir filmes do Festival Mix Brasil e outros que não passam em circuito comercial ou alternativo e são lançados diretamente em DVD.

Como o leitor pode observar, desde os meus quinze anos, eu cai de cabeça neste universo para entender quem eu sou e posso afirmar que valeu muito a pena, porque além do entretenimento eu adquiri conhecimento.

Quem acompanha meus escritos sabe que é lá na chácara que eu tenho tempo para reflexões sobre a minha vida e também para pensar em temas para escrever aos leitores.

Recentemente, lá estava eu sentado na varanda, observando a natureza, olhando e ouvindo os pássaros e veio um insight.

Regis, quando você partir desta vida, o que vai ser da sua coleção de filmes temáticos?

Algumas hipóteses: Minha família vai queimar tudo ou destruir, talvez venda para qualquer sebo e por qualquer preço.

Eu fiquei triste com essa constatação, mas estou numa fase de desapego de coisas materiais, então eu decidi:

Ou faço doação desse acervo para alguma ONG ou videoteca, consciente de que pode servir ou não aos propósitos de terceiros, ou eu mesmo posso dar o encaminhamento para cada um desses títulos.

Enfim, desapeguei e decidi vendê-los eu mesmo em vida, pois quem comprá-los vai aprender através das histórias algo sobre a homossexualidade, assim como eu aprendi.

Também decidi que de todo o valor arrecadado com cada venda, descontadas todas as despesas de comissão, custo da loja virtual, taxas etc. será revertido para uma ou duas ONGs que atua com gays, preferencialmente, soropositivos. O pagamento das doações será feitos às entidades ao final de um mês ou dois meses e dependendo das movimentações das vendas.

Parte do meu acervo já está disponível no Eshops e tem muitos dvds e blu-ray nacionais e importados, novos, lacrados, usados e todos em excelente estado de conservação. Não se assuste com os preços, afinal é para fins sociais.

Eu sei que isso vai tomar um tempo, mas o meu companheiro vai ajudar, principalmente, para fazer as postagens.

Breve, também estarei aposentado e fora do mercado de trabalho e como até lá eu não venderei tudo, talvez use o tempo livre para dar continuidade neste projeto, que para o leitor pode parecer simples, mas para mim tem um grande significado.

Enfim, caso você tenha interesse poderá ver o acervo e fazer compras, no link a seguir:

http://eshops.mercadolivre.com.br/GRISALHOSGLS

Caro leitor, neste projeto pirataria não tem vez. Não tenho cópias, não faço cópias, eu odeio cópias.

Uma das ONGs escolhidas para receber doação é a GPV-RJ – Conheça clicando aqui

Outra ONG será de São Paulo.

 

 

%d blogueiros gostam disto: