Publicado em Cultura, Diversão, Sexualidade

Uma coletânea sobre o carnaval dos gays

bloco-pre-carnaval-ritaleena-sp

Hoje começa oficialmente mais um carnaval e junto com ele a liberação sexual dos gays de todo o país.

Os saudosistas vão dizer que os antigos foram os melhores. Carnaval é carnaval em qualquer época, pois passam os anos, mudam-se cenários, mas na essência o contexto social é o mesmo.

As festas atuais estão tomando conta do eixo Rio e São Paulo com os blocos de rua que arrastam milhões de pessoas. Esse fenômeno acontece porque não é oneroso aos participantes e cada bloco é identificado por uma marca própria do século XXI, ou seja, as tribos e ideologias e nesse contexto os gays estão literalmente ocupando os espaços públicos das cidades.

No cenário atual uma parcela vai para os bailes e escolas de samba, outra ficará em casa, principalmente os mais velhos, por conta do sossego. Carnaval é espírito de folia, alegria e descontração, além da liberação da sexualidade, como bem escreveu James Naylor Green em seu clássico livro acadêmico: Além do Carnaval.

Eu, particularmente, gosto de ficar em casa, aqui na chácara é uma tranquilidade e gosto de ouvir as velhas marchas carnavalescas, pois remetem a um tempo da juventude que não volta mais.

Caro leitor, a seguir uma coletânea do que eu escrevi no blog sobre o carnaval:

PS: Se você vai se fantasiar no carnaval tenha cuidado, pois o mundo está muito chato! Tudo é motivo de censura e protestos, principalmente nas redes sociais. O que está gerando polêmica agora é fantasia de índio!

2009

Naquele momento da minha vida eu entendia e ainda entendo que neste período de folia tudo é permitido, principalmente no território da sexualidade – Leia aqui

2010

Otimismo e alto astral e as possibilidades de curtir o carnaval em outras paradas, aceitar as amarguras da vida e transformá-las em coisas boas – Leia aqui

Ainda naquele ano escrevi um artigo sobre os antigos carnavais e o romantismo dos bailes de salão. Leia aqui

2011

As memórias dos bailes gay do Rio de Janeiro e figuras icônicas – Leia aqui

2013

As origens do carnaval, como ele chegou ao Brasil e a inserção dos gays neste universo – Leia aqui

2014

Como os gays rasgam a fantasia no carnaval, saem do armário e buscam parceiros sexuais – Leia aqui

2017

Um conto gay de carnaval com referências às marchinhas num contexto social da atualidade e os velhos carnavais – Leia aqui

Publicado em Comportamento, cotidiano, Diversão

A primavera dos gays

raphael-perez-flower
obra de Raphael Perez pintor homoerótico

Setembro chegou e com ele muito calor, baixa umidade e falta de chuvas. Há algumas semanas eu observo as flores desabrochando lá na chácara e mesmo com o tempo seco elas insistem em cumprir o seu ciclo.

Amanhã às 17h02 começa oficialmente a primavera aqui nos trópicos e já percebo as movimentações de gays circulando pela cidade, correndo de um lado a outro, de mãos dadas, curtindo e buscando diversão, interagindo socialmente com seus iguais.

Como observador do cotidiano, não vejo as pessoas falando da mais linda estação do ano, parece piegas, coisa juvenil, mas o esquecimento é natural num mundo de tecnologias onde o mais importante é estar sempre no topo, sair bem na foto e poucos percebem a influência desta estação na vida de cada um e nas mudanças comportamentais.

Sim, nosso comportamento muda com as estações e na primavera ficamos mais soltos e abertos ao diálogo. Se para os jovens a estação não tem tanta importância, para os mais velhos é o momento de rever velhos conceitos e recomeçar novo ciclo.

Um amigo diz: Os idosos são como ursos que hibernam no inverno para sair da toca na primavera.

Mesmo fadados à solidão os gays tem mais é que aproveitar o presente, porque o futuro é incerto e a única certeza é o dia de hoje. Os alarmistas já previram o fim do mundo para o próximo sábado, portanto, não deixe para amanhã o que pode ser feito agora. Crie coragem para entrar nos círculos sociais e deixe de lado o preconceito da sua homossexualidade.

Nas grandes cidades os parques já recebem multidões de pessoas que procuram lazer e descontração. Basta observar com atenção e lá estão os gays, principalmente os maduros e idosos com passos lentos e caminhadas compassadas. Entre um olhar e outro há muita desconfiança e ainda assim os encontros acontecem de forma natural.

Hoje é tempo de engavetar as roupas do inverno e desengavetar as roupas leves, marcar encontros para socializar e quem sabe rolar algo além da amizade. Os bares já apresentam os primeiros sinais de que tempos quentes e chuvosos virão e lá perto de casa os botecos ficarão apinhados de gays, alguns são figurinhas carimbadas marcando presença quase diária.

Se você acredita numa vida além do sábado, comece a planejar a próxima viagem, preferencialmente, bem acompanhado, porque os dias prometem muitas emoções. Não deixe passar oportunidades pois os ciclos da vida são curtos, assim como as estações do ano.

Se você está numa relação estável aproveite e saia de casa, saia da rotina, das notícias ruins sobre a política brasileira e leve o parceiro para uma sessão de cinema, um passeio no parque, um jantar, uma bebida e até mesmo uma boate e se a ocasião permitir leve flores.

Se você está solteiro vá para locais onde possa ser visto, observado e paquerado, sem desgrudar do Smartphone é claro! Pode incluir no roteiro saídas às escondidas para saunas e locais de pegação porque não? Tudo é permitido e danem-se os preconceituosos.

Aproveite bastante a sua vida nesta primavera porque quando você perceber acabou, is over, c’est fini.