Arquivos do Blog

A Intolerância contra expressões da diversidade

queer

(Santander Cultura/Divulgação)

Caro leitor, eu administro este blog há quase nove anos e desde os primeiros escritos sempre alertei sobre a falsa sensação de liberdade de expressão, tanto pessoal quanto coletiva da população LGBT.

O mundo atual está muito chato, pois qualquer cidadão se vê no direito de criticar, atacar e até assassinar o semelhante por simples questão de um ponto de vista.

As redes sociais são territórios sem lei, onde todos sentem-se poderosos e no direito de escrever palavras de ódio. Nunca na minha vida, eu presenciei tantas demonstrações de racismo e intolerância. É todo dia, toda hora e a cada minuto.

Se comparada aos dias atuais, a ditadura militar do período da minha juventude era “light”, pois nunca fui molestado, ameaçado ou acuado por um cidadão comum. É óbvio que ninguém merece um regime de ditadura e hoje com toda a liberdade tenho a impressão que vivo numa ditadura manipulada pelas tecnologias.

Os gays são apenas a ponta do iceberg porque a intolerância está em todos os extratos sociais. Vivemos um período de extrema polarização, ou, se está à direita ou à esquerda.

expo-bbg

Critica internacional destaca a ação como ato político

Nesta semana acompanhei as notícias sobre as ações de movimentos sociais, entre eles o MBL que protestaram contra a exposição Queermuseu – cartografias da diferença na arte brasileira, patrocinada e promovida pelo Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. E saber que Pintores mundialmente reconhecidos como Alfredo Volpi e Cândido Portinari estavam entre as obras expostas.

O fechamento da exposição por pressão da direita radical deste país é lamentável. O MBL comemorou o encerramento como uma vitória da pressão popular e chamaram o Santander de vergonha dos gaúchos e pediu que os correntistas do banco, que mantém o centro cultural, encerrem suas contas em protesto.

Movimentos sociais são importantes porque lutam por causas específicas, mas na minha opinião o MBL é um movimento de direita que diz estar mudando o Brasil, mas esses filhinhos de papai da classe média, estudantes radicais classificaram as obras como apologia à pedofilia e zoofilia.

Segundo integrantes do movimento nas obras da exposição só tem putaria, só tem sacanagem que é reconhecida como arte. Há referências a Satanás e à prostituição infantil, por conta da obra sobre o meme Criança Viada, conhecido entre os gays.

Enfim, não vou me prolongar, mas deixo registrado aqui o meu repúdio a essas ações radicais, pois nenhum movimento me representa, porque se você vacilar será execrado publicamente, porque a nossa sociedade não está preparada para o contraditório.

Anúncios

Filme: Viva – Encontre a sua voz

viva-encontre sua vozAtendendo aos pedidos de diversos leitores do blog, aqui estou novamente publicando artigo sobre filmes de conteúdo LGBT, pois a última publicação ocorreu há mais de um ano.

Em maio de 2016, eu coloquei todo o meu acervo à venda no Mercado Livre, com parte da renda revertida para uma ONG de São Paulo, inicialmente era uma ONG do Rio de Janeiro.

Como colecionador de filmes temáticos, estou sempre atento às novidades, apesar do mercado de home vídeo estar em franco declínio por conta dos serviços de streaming e On Demand.

Uma das gratas surpresas de 2017, é o filme Viva, produção cubana de 2015, dirigida por Paddy Breathnach.

Sinopse:

Jesus (Héctor Medina) é um garoto cubano de 18 anos tentando descobrir sua identidade.

Incerto sobre o seu futuro, ele faz a maquiagem em um clube de Drag Queens de Havana, onde sonha em ser um performer. Quando finalmente tem a chance de subir no palco, ele é agredido pelo pai, Angel (Jorge Perugorría), um ex-boxeador ausente da sua vida por 15 anos após ter sido preso. Perante o conflito entre os dois, eles lutam para entender um ao outro.

Fotos:


viva2

viva1

viva3

Nota: Quem tiver interesse, ainda tenho alguns exemplares, originais e lacrados, clique aqui

Bom final de semana!

%d blogueiros gostam disto: