Turismo sexual e homossexual

Quem viaja por esse mundo como turista sabe da existência de locais de turismo sexual para gays.

No Brasil o turismo sexual predomina nas capitais dos estados da Bahia, Rio de Janeiro, Ceará e mais recentemente no Rio Grande do Norte. Destaque para a  cidade de São Paulo que é um dos principais roteiros do país, face à sua diversidade empresarial e cultural. Por lá existe um leque de opções para todos os gostos e idades. Os executivos, políticos, famosos e endinheirados fazem a festa.

De acordo com conceito da Organização Mundial do Turismo – OMT, o turismo sexual é feito de viagens organizadas com o propósito de se ter relações sexuais comerciais do turista com residente do local de destino.

Hoje se dissemina pelo Brasil o turismo sexual e homossexual regional, através da Parada Gay que ocorre nas principais cidades brasileiras. Os gays de todas as idades e classes sociais se deslocam de suas cidades de origem para as cidades ondem ocorrem os eventos, com a finalidade de se divertir.

Esse evento é uma oportunidade para os gays encontrarem parceiros para o sexo casual e sem compromisso. Muitas situações de relacionamentos acabam se tornando relações estáveis e duradouras, mas isso é minoria.

A cidade do Rio de Janeiro é a capital do turismo sexual e homossexual no Brasil, devido à fama mundial da Cidade Maravilhosa, suas praias, o Carnaval e o Réveillon. Breve, a cidade se tornará o centro mundial das atenções devido à Copa do Mundo e as Olimpíadas. Esses eventos esportivos atrairão turistas gays de todas as partes do mundo.

As cidades de Salvador, Fortaleza e Recife são procuradas por turistas gays, principalmente durante o carnaval. O nordeste é um caso à parte porque sempre foi reconhecido como uma região de turismo sexual para heterossexuais, com a prostituição infantil e que trouxe na rabeira o turista gay em busca de jovens rapazes nordestinos, pobres e carentes.

Nos anos de 1970 eu conheci muitos homossexuais que viajavam para São Francisco na Califórnia, com a finalidade, exclusiva, de fazer turismo sexual, com visitas às famosas saunas e Men’s club – A cidade de São Francisco sempre foi conhecida como a Cidade do Pecado.

Hoje o turismo sexual e homossexual é destaque nas cidades do Canadá, Estados Unidos, Espanha, Itália, Alemanha, Holanda, Grécia, Turquia, Inglaterra, Argentina e México. Até o Japão se abriu ao turismo gay.

Os guetos formados por bares, footing, saunas, hotéis e boates são locais divulgados em qualquer roteiro gay em qualquer lugar do mundo ocidental.

As agências de viagens se especializaram no turismo para gays com ou sem acompanhantes. É uma mina de dinheiro que faz do Pink Money um dos mais cobiçados por empresários e por grandes corporações – É o Mundo Mix!

Por de trás de todas essas maravilhas e promessas de diversão e sexo fácil existe uma realidade que poucos conhecem. A prostituição e dependência de álcool e drogas. Ninguém neste mundinho está imune à tentação de se prostituir ou se drogar, principalmente, se o turista for gringo e trazer muitos dólares ou euros na carteira.

Existem situações anacrônicas.  Às vezes o turista retorna ao local do destino anterior para manter relações sexuais com o mesmo parceiro e isso após um ou dois anos de ausência, porque entre os envolvidos ficou o compromisso e a falsa promessa de fidelidade e amor.

Como diz um amigo: Tudo é sexo!

Neste cenário do turismo sexual e homossexual, os gays maduros e idosos são maioria  devido à sua condição financeira. Se você reside num lugar de turismo sexual preste atenção à sua volta e você perceberá gays maduros circulando à procura de sexo e aventura.

Eu vi isso pessoalmente na minha última viagem para Natal/RN. Eu e meu companheiro saímos para jantar num restaurante da praia de Ponta Negra e lá vimos um gringo de meia idade acompanhado por dois jovens da cidade. O inusitado neste fato é que o gringo não entendia nenhuma palavra de português e percebemos que ele falava alemão.

Como diz outro amigo: o sexo é compreendido em qualquer lugar do mundo porque o gemido não tem idioma.

Em minha opinião, o turismo sexual homossexual é ótimo para o turista porque dá a oportunidade de viver relações sexuais plenas e sem infidelidade ou inveja e onde atração física e o desejo prevalecem. O que vier depois da relação sexual é lucro!

Já o residente local ganha experiência, algum dinheiro e em muitos casos, a oportunidade de decolar para uma vida melhor, seja pessoal ou profissional. Também, é certo e óbvio que a maioria é apenas mercadoria sexual nas mãos dos turistas, mas isso é outra história.

Destaco também a pedofilia inserida no contexto do turismo sexual e homossexual, como um processo insano – Aos pedófilos de plantão o meu repúdio.

Este artigo complementa o post Uma louca paixão homossexual, publicado no dia 05 de outubro de 2012.

União poliafetiva entre gays

Você nunca ouviu falar? Pois é, isso existe e é cada dia mais comum.

José Marcos tem cinquenta anos e há quatro anos conheceu Adamastor, 38. Eles vivem juntos num confortável apartamento na cidade de Florianópolis/SC.

A convivência sempre foi tranquila, pois, ambos gostam das mesmas coisas, as mesmas músicas, as mesmas obras literárias e os mesmos roteiros de viagem.

Na família tem um cãozinho chamado “Xuxu” que sempre faz o papel de filho adotivo do casal. Numa das andanças por praças e parques da cidade, Xuxu se enfiou debaixo do banco de uma praça atrás de uma cadelinha chamada Flor. Os dois se engalfinharam sob o banco e Adamastor foi fisgado pelo homem grisalho que estava sentado fazendo mimos na sua cadela de estimação.

Foi amor à primeira vista, não entre os cãozinhos, mas entre os seus donos. Durante um mês Adamastor saia todas as manhãs para encontrar Juliano, homem grisalho de sessenta anos, viúvo, pai de dois filhos e três netos.

O primeiro contato sexual aconteceu na casa de Juliano e durante algum tempo eles viveram uma aventura secreta e perigosa às escondidas de José Marcos que era possessivo e dominador.

Juliano era bissexual e sempre gostou de homens, mas depois da morte da esposa optou por ficar sozinho cuidando da cadelinha Flor que era a paixão da companheira falecida.

O tempo passou e José Marcos não percebeu nada de estranho até o dia que foi ao Beira Mar Shopping para levar a Xuxu para um banho e tosa. Não deu outra. Quase trombou com Adamastor e Juliano na fila de espera do Pet Shop enquanto a Flor se sacudia no balcão de tratamento.

José Marcos não ficou surpreso, muito pelo contrário, achou Juliano um tesão de homem. Dali para cama foi questão de horas, entre o fim da tosa e um café expresso na praça de alimentação.

A relação sexual se consumou no apartamento do casal. Adamastor e Juliano cobriram José Marcos de afagos e beijos, igual àquela cena da Sonia Braga cercada por José Wilker e Mauro Mendonça no filme Dona Flor e seus dois maridos.

O sexo fluiu naturalmente entre os três e não houve nenhum conflito de preferencias. Enquanto um chupava, o outro virava de lado, no sexo anal um observava e o outro gemia de prazer. Juliano era o passivo na relação e gostava de ser amarrado à cama. José Marcos gostava dumas pitadas de sadismo e Adamastor preferia os beliscões e banhos de língua excitantes que cobriam os corpos de Juliano e José Mário.

Após longas sessões de sexo o trio de amantes se consolidou na amizade e no prazer sexual. Numa troca de e-mail, eu perguntei ao Adamastor como ele se sente nessa relação e a resposta foi curta e direta: Ambos me completam.

Moral da história: Juliano encontrou os seus dois maridos e a Flor se apaixonou por Xuxu.

Curiosidades:

*** O termo “União poliafetiva” vem sendo usado numa tese de doutorado em direito civil na USP – Universidade de São Paulo

>>> Xuxu ganhou o nome depois que Jose Marcos assistiu ao filme francês Chouchou, cujo titulo brasileiro é Xuxu e que conta a história de um travesti que se apaixona por um rico homem de negócios.

*** A falecida esposa do Juliano chamava-se Florinda e tinha o apelido de Flor. Daí o nome da cadelinha.

>>> Adamastor é um ser mitológico – Ver wikipedia

*** Juliano herdou o nome do pai em homenagem ao Imperador romano Juliano que reinou desde o ano 361 até a sua morte. Foi o último imperador pagão.

>>> José Marcos, este ai é bem brasileiro e herdou o nome porque nasceu na cidade de São José dos Quatro Marcos em Mato Grosso.

Leia também

@@@ Relações gays – acordos, regras e compromissos.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 396 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: