Coisas que os gays idosos devem fazer antes de morrer

when_i_sixty_four

Paul Freeman

No último domingo eu pude rever o filme When I’m Sixty four, utilizando o recurso da Smart TV com acesso à Internet, via Youtube.

O legal é que meu companheiro, mesmo não entendendo inglês ficou ao meu lado, assistiu com atenção e ao final disse: Que história maravilhosa! Como os seres humanos são complexos em comportamento e sentimentos!

O filme retrata o relacionamento entre dois homens idosos, um heterossexual viúvo e um homossexual sozinho.

Realmente existem milhares de Ray, papel de Paul Freeman, onde a solidão na velhice para um heterossexual é igual ou pior do que para um homossexual.

O isolamento social de um homem viúvo, mesmo cercado de filhos e netos, a falta de atenção e cuidados, onde todos têm seus interesses particulares, principalmente, materiais e onde o idoso é, literalmente, empregado dos filhos.

No meu ponto de vista todos os gays idosos deveriam pensar em viver como o Jim, papel de Alun Armstrong. Ter sonhos e fazer planos, tipo: Coisas para fazer antes de morrer.

Fora do filme a realidade é outra.  Uma série de atitudes é essencial para realizar sonhos. Não basta apenas sonhar é necessário buscar meios de realiza-los:

Guardar dinheiro para gastar na velhice

                   Mudar velhos hábitos

                                   Ter coragem de enfrentar o mundo

                                                    Buscar alguém para dividir os sonhos.

Relacionamentos começam primeiro com amizade, você tem que sentir-se bem ao lado do outro, querer estar com ele, fazer concessões, ter diálogos e objetivos comuns. Gostar de alguém não começa necessariamente no sexo, mas o sentimento pelo outro faz brotar o desejo carnal.

No filme, o personagem de Ray lentamente descobre no Jim, o desejo de viver e ele quer fazer parte daquela história, passando pela descoberta da homossexualidade do Jim, os conflitos interiores, a repulsa aos homossexuais, o afastamento do amigo, até descobrir-se apaixonado.

A reaproximação e o desejo de estar com o amigo, sem saber como fazer sexo com outro homem, o enfrentamento da família até a decisão de viver um grande amor, porque a vida está chegando ao fim. Lindo e poético!

Eu conheço gays idosos que estão sozinhos, mofando, adoecendo e esperando a morte chegar e isso me entristece. Infelizmente pouquíssimos deles estão lendo este texto.

De qualquer maneira, o que dizer aos gays maduros e idosos? Viva intensamente, se apaixone e deixe-se levar pelas emoções e sem medo de ser feliz. Claro, se tiver condições e saúde espelhe-se no Jim, faça a sua lista de prioridades antes de morrer.

Viajar e conhecer o mundo

                Realizar e dividir sonhos

                                                Apaixonar-se

Sobre Regis

57 anos de idade, residente na cidade de São Paulo

Publicado em 28/10/2015, em Opinião, Sexualidade e marcado como , , . Adicione o link aos favoritos. 3 Comentários.

  1. Bem interessante, gostei🙂

  2. Já assistir esse filme três vezes. A primeira vez assistir sozinho, depois fiz questão de assistir com meu companheiro que tem 77 anos e a ultima vez, assistir com um amigo. Adoro esse filme, assim como o filme “otra Historia de amor” uma outra ótima opção de filme do gênero.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: