O coroa, o filhão e a reinvenção do gay idoso

1776594109-ensaio-traz-casais-gays-dos-anos-80-3348304035-323x479Outro dia lá na chácara eu me pus a pensar porque o gay idoso é tão cobiçado pelos mais jovens. Sei também, que são pretendidos por gays maduros e até mesmo por outros idosos. Neste texto vou explorar apenas as relações entre os coroas e os jovens.

Existem no universo homossexual vários tipos de relações e uma delas é o garoto gostar de homens mais velhos, em contrapartida, os mais velhos procuram os mais novos, principalmente, por conta da juventude e beleza física.

Os garotos que curtem coroas e maduros buscam a experiência dos mais velhos, idealizam relações mais significativas e mesmo sendo jovens até sonham com relações duradouras, mas a realidade mostra-se muito diferente por incontáveis razões que não vem ao caso relatar aqui.

Atualmente os jovens buscam muito mais do que uma relação para curtir, para ficar ou para fazer sexo. Ficar por ficar, se envolver com o coroa apenas para fazer sexo é uma forma desvalorizada pelos garotos, exceção aos profissionais do sexo.

Pensar que hoje, ser coroa diz respeito a um tipo muito mais definido por seus atributos emocionais e por sua trajetória de vida do que exatamente por sua idade – É o que eu chamo de Reinvenção do Gay Idoso.

Em termos gerais é correto dizer que o coroa é associado aos quarentões e cinquentões acompanhados de qualidades, de personalidade e de competências emocionais relacionadas à estabilidade, experiência e maturidade.

No mundo gay são comuns algumas formas de tratamento usadas nas relações íntimas entre os coroas e os jovens: paizão, paizinho, tio, tiozinho, filhão, filhote e até bebê; apesar dessas denominações terem uma relação de afetividade, na verdade é uma forma de hierarquia, ou não?

Quando se fala de gay maduro entenda-se como outra categoria para o coroa. O filhão se caracteriza por ter uma cabeça boa, ser maduro, a respeito da sua pouca idade, situada, aproximadamente, entre os 20 e 30 anos, embora haja coroas que afirmam que há muitos rapazes mais novos, com menos de vinte anos, que os procuram para sua iniciação sexual, assim como, por outro lado, encontra-se filhões com mais de 30 anos de idade.

O coroa dispõe de um capital erótico ambíguo. É um gay de idade indefinida, mas com sinais visíveis do envelhecimento. O cabelo grisalho, as rugas, a barriga saliente, os movimentos mais lentos. Tipicamente, parece ser o homem maduro de modos viris, que tem saúde, disposição física, apresentação pessoal e dinheiro suficiente para frequentar espaços do circuito gay, encontrar amigos, beber, se divertir e também tentar a sorte no mercado da paquera. O coroa é, portanto, a figura que encarna a representação mais positiva do gay idoso, contrapondo-se às representações associadas à velhice.

Para o filhão, o coroa tem que ter caráter, maturidade e experiência e ao mesmo tempo tem que se cuidar, principalmente da aparência. Os garotos esperam deles habilidades eróticas e afetivas: eles acham que os coroas sabem iniciar o cara sem dor e o cara gostando. O que não deixa de ser verdade.

A virilidade também é uma característica associada ao coroa. Mesmo que nem sempre na relação sexual o coroa desempenho o papel de ativo.

Os coroas também exigem dos garotos discrição, que sejam másculos, mesmo que sejam passivos; que queiram envolver-se em relacionamentos mais estáveis, que estejam dispostos a retribuir dedicação, empenho e fidelidade. Em troca os coroas dão aos jovens a oportunidade do aprendizado e da convivência social, alguns dão carro e roupas, outros, estudos e até moradia.

Um fator decisivo, a meu ver, que permite compreender essas relações é como essas situações coexistem sem muitas perdas e onde todos ganham. Obviamente, há perdas e os garotos reclamam que os coroas querem apenas sexo, já os maduros reclamam que os garotos são volúveis e ao se deparar com uma situação melhor, pulam de galho em busca de melhores parceiros.

Nesse redemoinho de situações, eu observo as mudanças comportamentais, principalmente, dos coroas. Talvez nessa primeira geração de gays idosos, nossos contemporâneos, se tornou possível conceber a vivência legítima de uma vida amorosa como experiência possível para esses “novos” senhores.

gay_idoso_5Pense comigo: Essa é a primeira geração de LGBTs maduros e idosos que podem expressar seus desejos e identidades, para além dos limites da clandestinidade vivida até o inicio dos anos 90. Eu vivi a minha adolescência e parte da vida adulta naquele cenário repressivo e clandestino e não era nada fácil as relações homossexuais, principalmente, entre jovens e maduros. Se hoje as relações entre jovens e coroas duram em média um ou dois anos, naquele tempo duravam semanas ou alguns meses.

Ainda assim, nos dias atuais, em sua maioria, essas relações não sofreram grandes mudanças. Ainda se percebe o anonimato, a manutenção da vida dupla, tanto do coroa quanto do jovem por questões familiares e é mais comum do que imaginamos, encontrar coroas casados e que querem ter relações estáveis com garotos.

Outro dia eu ouvi o seguinte depoimento de um gay cinquentão e casado: Eu quero encontrar um jovem que queira me fazer sentir amor, pois família e filhos, isso eu já tenho. Eu quero alguém dedicado a mim, enfim, eu quero viver uma história de amor.

Os coroas que gostam de garotos entre 16 e 19 anos sabem que a relação não será duradoura, logo, é o sexo pelo sexo – é a iniciação sexual do jovem e a satisfação sexual do coroa.

Os coroas casados e com filhos buscam nos jovens o sexo homossexual e o anonimato, preservando as relações familiares já estabelecidas. São raros os casos de divórcio para viver um grande amor.

Os coroas ciumentos que gostam de garotos já viveram muitas relações e as perderam por possessão e incompatibilidades.

A situação mais comum são os coroas que gostam de demonstrar poder em relação aos garotos com quem tem relacionamentos sexuais. Na verdade esse comportamento tem a ver com a não aceitação da homossexualidade e os coroas descontam suas frustrações nos jovens.

Moral da história: Acabam sozinhos e abandonados pelos garotos, não conseguem manter relação estável, vivem em bares e saunas buscando o sexo, para preencher o vazio de suas vidas.

Sobre Regis

57 anos de idade, residente na cidade de São Paulo

Publicado em 19/08/2015, em Relacionamento, Sexo e marcado como , , . Adicione o link aos favoritos. 8 Comentários.

  1. Concordo com tudo é pura verdade

  2. Pedrinho Feliz

    eu busco relacionamento com maduro, adoro ser filho, o corpo deles me atrai e se tiver ainda por cima um penis gostoso, nossa eu piro….claro que a aparência, o caráter e seu interior contam muito! eu busco um maduro assim!

  3. Legal o texto, identifiquei com varias citações. E acredito que muitos jovens adeptos dos coroas, também o identifiquem, principalmente os das classes sociais menos favorecidas.

  4. Hairybrasil1965

    Coitado do rapaz que se apaixona e fica mais velho.
    É descartado como pizza mofada.
    Se o coroa curte jovens, não vai querer um maduro.

  5. Lembro-me que sentia muito tesão pelo meu pai e pelo meu avô. Me masturbava pensando neles. Me segurei muito e me reprimi muito com a vontade de os agarrar, de os beijar… Ás vezes escutava meu pai transando com minha mãe e gostaria de estar no lugar dela… Acho que meu pai até desconfiava dessa atração, mas sempre fingia e fugia deles, internalizando meus sentimentos.

    Acho que os mais jovens que se sentem atraídos pelos coroas, na verdade, é que se identificam com eles. Acho que na verdade, desde cedo, somos muito mais maduros do que aparentamos.

    Nunca senti nada pelos meus amigos, homens da minha faixa etária. Então me achava estranho, achava que se eu fosse homossexual deveria sentir atração por eles também. Então resolvi virar homem macho. Arranjei namoradas – no início, para transar, sentir e dar prazer, eu fechava os olhos e pensava nos homens que me davam tesão.

    Até os 50 anos vivi na falsidade de ser hétero, ou bi, como alguns assim queiram se denominar… Terminei meu casamento depois dos 50, e nunca mais quero transar com mulheres. Hoje tenho o homem da minha vida (eu 56, ele 71), e nunca me senti tão realizado e feliz!

    • O seu relato é contundente e pode ter certeza que há centenas, talvez milhares de situações semelhantes à sua.
      Você tomou a decisão certa, pois a pior coisa na vida são frustrações não resolvidas.
      abraço, Regis

    • Também sentia isso, desde pequeno pelo meu pai, e, ao longo do tempo só foi aumentando….eu ficava me questionando porque eu gostava só de coroas e não sentia nada pelos da minha idade. Mas hoje em dia percebi que é normal, tem varias pessoas que gostam. Já tive relação com alguns e adorei!!!

  6. Lindo texto, tenho 23 anos e amo os homens maduros, os coroas, tenho maior tesão por eles, e logo espero encontrar o meu “coroa magia”!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: