O verão dos gays

2013-04-12-rio-gay-praias-585x426Pois é, mais um ano começou e com ele muitas expectativas, sonhos e desejos. Espero que você, leitor dos GRISALHOS tenha um excelente ano!

Lembro-me do verão, não como uma estação do ano, mas como os bons tempos da juventude, enfrentando tudo com a cara e a coragem. Assim como todo adolescente eu tinha muitas dúvidas sobre sexualidade e sobre a vida, além dos medos próprios da idade, mas hoje isso tudo é passado.

Para você que é mais jovem e não viveu época de repressão, não imagina como eram difíceis aqueles tempos, mas a vida segue seu curso e o tempo presente é melhor do que os tempos de outrora. Mesmo não sendo jovem, eu ainda sinto a brisa da juventude.

Para os gays nada é fácil e se for maduro ou idoso é ainda mais difícil. Ok, não estou aqui para transmitir pessimismo e sim para motivar os leitores com pensamentos positivos e apresentar situações que possam contribuir para uma vida melhor.

Ser gay não é doença e a sexualidade humana não é questão de opção individual, como muitos gostariam que fosse, ela simplesmente se impõe a cada um de nós. Simplesmente, é!

A melhor forma de lidar com a homossexualidade é com a maior naturalidade possível e só entrar com alguma colocação sobre sua sexualidade se for necessário.

A família tem toda importância para nós. Muitas famílias não tem muito claro o que pensam sobre homossexualidade e assim fica difícil sair do armário, enfim, não é o fim do mundo.

Até hoje meu pai ainda vivo e meus irmãos não sabem claramente da minha homossexualidade, mas depois de tanto tempo, eles se acostumaram com a minha condição de “sozinho”. Lá no futuro, você acaba vencendo os familiares pelo cansaço e depois de tantas cobranças, eles se acostumam ou se cansam de cobrar.

Ao longo dos anos eu consegui o respeito, sendo um homem discreto, estudioso e trabalhador. Conquistei meu patrimônio com muito trabalho e desde a juventude sabia que precisava construir uma vida sólida, para não depender de ninguém.

Em geral a vida dos gays é muito semelhante, só muda o endereço e construir uma vida própria longe da família faz você crescer, além da independência material, você coleciona as experiências de vida desde a juventude, à maturidade e até a velhice.

A velhice dos gays se bem planejada é uma velhice digna. Hoje quase aos cinquenta e seis anos, eu me sinto realizado, sem neuras e sem dependência de outras pessoas.

Neste final de ano lá estava eu no Rio de Janeiro e pude observar que o verão dos gays, além de muito quente é uma época de curtição, sexo, drogas, bebidas, praia e muita azaração – Nada diferente da época da minha juventude.

Portanto, viva a sua homossexualidade sem medo, independente da sua idade – Como a cultura tem variação geográfica e valores pessoais estão intimamente ligados à cultura o preconceito pega carona. Obviamente Rio e São Paulo tem maior facilidade de aceitação, sul e nordeste maiores dificuldades, mas nada disso pode inibir você de viver uma vida boa.

Eu sei que é fácil falar, porque no cotidiano não é assim que funciona, mas é necessário tentar, você não acha?

Não existem formulas mágicas – Você descobrirá os caminhos com as experiências de vida, através de tentativas e erros. No final tudo acaba de uma maneira que você jamais imaginou e esse é o grande barato da vida.

Portanto, viva intensamente, mesmo com restrições, o HOJE, porque como cantou Djavan:

Amanhã, outro dia
Lua sai, ventania
Abraça uma nuvem que passa no ar
Beija, brinca e deixa passar
E no ar de outro dia
Meu olhar surgia
Nas pontas de estrelas perdidas no mar
Pra chover de emoção, trovejar.

Raio se libertou, clareou muito mais
Se encantou pela cor lilás
Prata na luz do amor
Céu azul.

Eu quero ver o pôr do sol
Lindo como ele só
E gente pra ver, e viajar
No seu mar de raio.

Leia também:

Sobre Regis

57 anos de idade, residente na cidade de São Paulo

Publicado em 06/01/2015, em Comportamento, Sexualidade e marcado como , . Adicione o link aos favoritos. 3 Comentários.

  1. Tadeu Marcondes

    É interessante como todas as angústias da juventude com a sexualidade vão se acalmando com a maturidade. As preocupações e importância que damos com o que outros pensam passam a ser menores. Queremos mais é manter a estabilidade financeira e psicológica, dependendo o menos possível dos outros. Gostei do seu artigo e me identifiquei muito com ele. Parece minha história.

  2. Realmente! me identifico com tudo que você posta. Espero que seu blog continue sempre assim.
    Amigo não sei se você já botou alguma foto sua aqui, mas eu nunca vi. Se possivel poderia me mostrar alguma por e-mail?
    obrigado.

  3. fabio coelho

    Amei seu artigo (ou sua história de vida)..Sim não podemos nessa nossa jornada de tantas certezas e incertezas como homens gays de construirmos algo sólido para nosso futuro..É essencial nossa independência acima de tudo como seres humanos independentemente de nossa sexualidade. Construir algo sólido sem esquecermos de viver intensamente cada segundo de nossas vidas! Feliz ano novo à todos!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: