Relações intergeracionais entre gays

gay_idoso_5Caro leitor, prepare a poltrona porque hoje o post é longo, mas é legal, pois desmistifica muitas coisas sobre o tema, bem como, traz uma nova realidade que ainda passa despercebida nos dias atuais.

O título do post foi proposital para atrair alunos e acadêmicos , porque essa coisa de relação intergeracional é meio que preconceituosa. Quem sabe este post dê algumas informações e dicas para estudos acadêmicos sobre o envelhecimento dos gays masculinos e sobre as relações entre homens jovens que gostam de homens mais velhos.

A sociedade não enxerga as relações entre jovens e coroas com bons olhos e é pior ainda sendo uma relação homossexual. Até o próprio meio gay tem preconceito.

As relações sociais e sexuais entre gays maduros ou idosos e gays jovens é algo comum, mas as nuances que permeiam essas relações são desconhecidas para a maioria, pois quem não vivencia essa realidade nem imagina como um gay jovem, bonito e sarado pode gostar e manter relações sexuais com gays idosos, porque o modelo padrão faz referência à juventude e à beleza física.

Como não existem muitos trabalhos acadêmicos sobre o envelhecimento da população LGBT, entenda-se como maduro ou coroa homens com idade acima de 50 anos e os idosos com idade acima de 65 anos.

olderclubeO rio das paixões entre jovens e idosos

De um lado do rio os gays maduros e idosos possuem um conjunto de características físicas apreciadas por uma parcela de jovens, como cabelos brancos, a barriguinha saliente, além da idade. Isso combinado com acúmulo de experiência, estabilidade emocional, familiar, financeira e social.

Esse conjunto de características se traduz num perfil de homens mais masculinos, discretos e mais ativos. Embora não implique em desempenho sexual marcado, exclusivamente, pela preferência por ser ativo. Na terceira idade esses gays adaptam-se às limitações e transformações físicas e optam por outras maneiras de manter relações sexuais, fazendo o papel de passivo.

Eu incluo ainda neste conjunto a competência emocional para lidar com relações menos efêmeras e mais significativas, indo além das atividades sexuais eventuais. Os maduros e os idosos buscam relações mais estáveis e um convívio social senão diário, pelo menos semanal ou mensal, porque na velhice não dá para ficar atirando para qualquer lado ou envolvendo-se com diversos parceiros, pois o processo de envelhecimento já está em curso.

Para os leitores mais leigos tudo o que eu escrevi até aqui pode parecer utópico, porque as imagens que se tem dos gays maduros e idosos são de aberrações, tias velhas, tarados e decadentes que pagam michês para fazer sexo, além de serem promíscuos e que as saunas são o seu refúgio e os banheiros públicos proliferam idosos advindos de todos os cantos da cidade.

Pode até ser verdade quanto à frequência em saunas e bares, porque o gueto ainda é o único local de socialização dos gays maduros e idosos que viveram parte da juventude e da fase adulta num regime de ditadura e de muita repressão familiar, religiosa e policial.

Pausa:

O contexto deste post aplica-se à cena das grandes cidades e capitais, ou você pensa que isso acontece numa cidade do interior? Bem, pode até acontecer, mas os coroas e jovens do interior, geralmente migram temporariamente para os grandes centros na busca por parceiros e para efetivar compromissos e essas buscas invariavelmente ocorrem em bares e saunas.

gay_idoso_3Do outro lado do rio os jovens tem que ser discretos, másculos, mesmo que sejam passivos; que queiram envolver-se em relacionamentos mais estáveis e que estejam dispostos a retribuir possíveis favores na forma de dedicação, de empenho e de fidelidade. Será que escrevi alguma besteira, ou isso é um resumo “quase” fiel dessa realidade?

Os coroas costumam chamar seus parceiros jovens por filhão ou filhote e os mais jovens chamam os mais velhos de paizão ou paizinho. Essa forma de tratamento induz a pensar em hierarquia familiar, permeada por diferenças de poder onde o lugar de poder está ligado ao parceiro mais velho.

Existem outros modelos mais tradicionais na relação homossexual entre jovens e maduros ou idosos. Na relação entre o coroa/paizão e o seu filhão/filhote, há diversos casos em que o parceiro mais velho reveste-se de um papel de tutor, de amigo, de padrinho, de alguém que ajuda a família de origem do jovem.

Muitos gays maduros ou idosos não se importam que o seu companheiro mantenha namoros e até casamento heterossexual, desde que ele conserve o vinculo estabelecido entre eles.

Nesse cenário também existem as coisas materiais que servem como moeda de troca de favores afetivos ou sexuais. Eu chamo isso de trocas de dádivas, ou negociações de desejo e afeição.

Se o coroa aparece sempre como aquele mais bem posicionado social, cultural e economicamente, dispondo de poder decisivo para a conquista e a manutenção da relação, por outro lado, não pode deixar de considerar formas de poder vindos da parte do rapaz, sob o qual recaem designações sociais: o rapaz geralmente é de origem negra ou mestiça; mora em periferias ou em cidades vizinhas à capital; de origem socioeconômica pobre e tem baixa escolaridade.

No entanto, esses jovens dispõem de um capital erótico, expresso em seus atributos físicos e em suas habilidades afetivas e sexuais que, muitas vezes, se sobressai na relação e introduz inesperados arranjos de equilíbrio e negociação de poder nas parcerias.

Pausa:

O cenário apresentado até aqui se mantêm relativamente estável há muitas décadas, porque os homossexuais não tinham outras opções a não ser o confinamento nos guetos e os poucos locais de paqueras eram os bares, saunas e banheiros públicos.
Bem, isso ainda existe e os gays, principalmente, os idosos ainda frequentam bares e saunas, mas com o advento da Internet as transformações sociais agregaram novos elementos à cena e um novo personagem foi inserido nesse contexto – O gay jovem de classe média.

gay_idoso_6Com boa escolaridade, bons cargos de trabalho e estabilidade financeira, os jovens de classe média mostram-se aos coroas em igualdade de condições socioeconômicas.

Esse personagem é cada dia mais comum dentro do teatro das relações entre jovens e coroas, porque através da Internet ele mantem-se anônimo e pode expressar a sua sexualidade e preferências por homens mais velhos de uma forma secreta, até a consolidação de uma relação mais estável.

Com a comunicação online as distâncias foram encurtadas e mesmo os coroas buscam via Internet parceiros nas salas de bate papo e redes sociais, o que permite encontros fora do circuito das saunas, bares e boates e sem riscos de exposição.

Mas como um gay jovem de classe média pode gostar de um gay maduro ou idoso? Bem, ele não precisa de dinheiro, favores, bens materiais ou outra moeda de troca.

Para entender esse novo personagem, eu procurei informações junto aos leitores e correspondentes do blog, com idade até 30 anos e identifiquei dois fatores preponderantes.

O principal fator é a experiência e a segurança dos mais velhos – Experimentar o sexo com homens maduros deixou de ser mera curiosidade e os jovens estão expondo os seus desejos por homens maduros sem receios ou medos.

Outro fator é o equilíbrio sociocultural. Os jovens buscam companheiros não apenas para o sexo, mas para interações sociais e ai incluem-se, viagens, programas culturais, jantares e até morar juntos.

Também, os gays maduros e idosos buscam nos jovens de classe média o equilíbrio que conquistaram ao longo da vida e também mantem o seu papel de disseminador de experiências de vida e como educador de práticas sexuais.

A evolução das relações entre esses parceiros jovens e coroas ocorre através da confirmação na troca de afetividade e o encaixe do papel sexual. Como diz um amigo meu: “Nas relações entre parceiros sempre temos que nos adaptar a alguma situação, seja ela de conflito de ideias, de poder, de geração ou de papel sexual”.

A convivência entre jovens de classe média e homens mais experientes e idosos quebra paradigmas e coloca em xeque todos os estudos acadêmicos sobre o assunto.

Um leitor do blog me alertou que a quantidade de caras da classe média que curtem homens maduros é muito grande.

gay_idoso_sp_saunaSobre as pressões

Mesmo com tantas pressões diárias exercidas igualmente sobre o coroa e sobre o mais jovem as relações estão acontecendo com maior frequência.

Sobre o mais velho, as pressões vêm com frases como: você está sendo enganado, você está sendo usado, você vai acabar sendo traído, você vai acabar se dando mal; enquanto sobre o mais novo, a pressão é mais do tipo: ele não vai aguentar o seu pique, não dá pra aguentar esse velho, transar com esse coroa deve ser horrível e, igualmente, mas com outro sentido, ‘você está sendo usado’.

Mesmo com tantas restrições, os gays maduros e idosos não estão mais sozinhos. Eu acho que aos poucos a Síndrome do Gay Solitário vai ficando no passado.

É verdade que a velhice na sociedade brasileira é muito difícil. No caso dos gays, a situação se agrava por conta do preconceito e do afastamento da família, que já ocorreu há muitos anos.
No entanto, a vida dos gays que entram na terceira idade pode ser bem diferente do que imaginamos e parte disso se deve justamente às relações entre jovens e coroas: Existe uma parcela considerável de gays que se sente atraída sexualmente por homens bem mais velhos, alguns até com idades acima dos 70 e 80 anos.

Mas e ai, como é que ficam os gays jovens que habitam as saunas, bares e banheiros públicos? Eles continuarão a existir porque as periferias das cidades continuarão produzindo jovens mestiços, com baixa escolaridade, gostosos, másculos e viris.

Anúncios

Sobre Regis

57 anos de idade, residente na cidade de São Paulo

Publicado em 14/03/2014, em Comportamento, Relacionamento, Sexualidade, Sociedade e marcado como , , , , . Adicione o link aos favoritos. 39 Comentários.

  1. Altemir da Fontoura

    Cara! Tenho 48 anos e estou bastante depre e com um certo ranço a relacionamentos homo afetivos. Parece que busco algo que nunca vou encontrar nos mais jovens…
    Admiro muito a ti e as tuas postagens, gosto da forma com que escreves e aborda assuntos tão complexos…
    Felicidades!!

  2. Desde que comecei minha vida afetiva e sexual, sempre escolhi caras mais velhos que eu. E nunca os chamei de paizinho, paizão, nem fui chamado de filhote, filhão. Primeiro, no interior paulista, eu tinha de me resignar em me envolver com homens casados – até hoje isso se reflete nos meus beijos cuidadosos para não deixar marcas, hehe. Vivi uma juventude solitária na qual meus momentos de prazer eram aqueles em que eu desfrutava da companhia de meus coroas. Tive um relacionamento que durou quatro anos – com um cara que viajava muito e por isso só podia estar comigo poucos meses ao ano. Numa época em que não havia celulares nem internet para facilitar. Tempos depois, já vivendo na capital São Paulo, tive um companheiro 20 anos mais velho com o qual fui morar junto, ao qual me dediquei de corpo e alma, e com quem o relacionamento foi conturbadíssimo – porém durou cinco anos sob o mesmo teto… e até hoje, dois anos após ele me deixar e ir morar muito longe, em sua pátria, não conseguimos deixar de nos falar todos os dias pela internet. Quando olho um jovem da minha idade, não vejo nos olhos deles as águas tranquilas de quem já passou por todas as pontes emocionais e estará lá me acalmando da única maneira possível – me envolvendo em um abraço apertado e silencioso.

  3. Tenho 36 anos e meu companheiro está prestes a fazer 51. Completamos um ano juntos em dezembro e nos gostamos demais! Estou falando isso para dizer que, embora ele me chame de “filho”, não o vejo como um “pai”, até porque meu pai é bem mais velho que ele e, na maioria das vezes, quem o chama de “filho” sou eu, e aí, ele, para brincar, me chama de “pai”! Ele, até por uma questão de idade, já é bem resolvido, principalmente do ponto de vista financeiro, e eu também. Quando alguém está numa maré mais braba de dinheiro, um ajuda o outro, e tudo isso eu acho bem legal, pois, embora ninguém tenha essa “obrigação”, se for preciso, por que um não ajuda o outro? Sempre me envolvi com caras mais velhos que eu, mas apenas pouco mais. A diferença maior tinha sido de dez anos e, agora, são quase quinze. Não vou dizer que é por conta dessa diferença que não o vejo como um “pai”, até porque nunca pensei nisso, nunca botei isso na cabeça, e sim porque, como já disse, meu pai é bem mais velho que isso. Enfim, acho que quando o casal realmente se gosta, a diferença de idade é o de menos, então quero aproveitar para dizer que, aos mais jovens que ainda procuram seus “coroas”, principalmente para um relacionamento sério, não desistam de procurar, pois tudo vem no tempo certo! Eu que o diga isso com relação a esse relacionamento!

  4. Meu companheiro tem 16 anos a mais que eu, eu 34 e ele 50. Estamos juntos há 14 anos e espero viver minha vida inteira só com ele. Foi e espero que seja meu primeiro e único.

  5. Thiago Coutinho

    Muito bacana seu blog, já que aponta questões interessantes que se passam no dia dia do mundo gay.

    Grande abraço!!

  6. Josue Martins

    Olá Boa noite a todos !
    ameei esse blog!
    tenho 21 anos assumido há alguns meses, e passando por um momento difícil por ter me assumido, porem estou muito feliz, adorei o post e esta certinho, amooo coroas grisalhos gordinhos.
    E adorei ler os comentários de pessoas do bem, com experiencia, caraca tudo muito bacana nesse blog rsrs.
    Um abraço a todos e parabens pelo blog

  7. Felipe Carvalho

    Este blog e D+, pois relata claramente o nosso universo.
    O meu companheiro tem 51 anos e tem vida estável, porém não era assumido e eu tenho 22 anos. Nos conhecemos pela internet, ele mora no Para e eu em Minas Gerais, enfrentamos grandes desafios, primeiramente a distância depois eu estava no exército e pretendia seguir carreira, porém se eu me tornasse militar seria praticamente impossível vivemos a nossa história, decidi então cumprir apenas o tempo obrigatório. ( ah! Sempre que possível viajamos para nos encontrar) e em uma dessas viagens decidimos morar juntos; conversei com a minha mãe peguei todas as minhas economias e #partiu.

    Enfrentamos alguns problemas o primeiro foi a minha tristeza, pois sempre fui independente (trabalho desde os meus 14 anos tinha o meu próprio dinheiro e não dependia de ninguém) demorou 8 meses para eu conseguir um emprego, pois tenho apenas o ensino médio e um curso de auxiliar administrativo, isso me causava aflição, porque me sentia dependente.
    Tinha amigos, familiares, emprego e não conhecia a cidade (o nosso relacionamento era ótimo, mas estas primeira dificuldades que enfrentei atrapalharam e muito, porque causou insegurança e ele acreditava que eu iria desistir de tudo e voltar para minha terra.) porém, tudo ficou melhor quando consegui um emprego, então comecei a investir no meu perfil profissional.

    Mas, sempre surgem algum outro problema, como o conflito cultura que enfrentamos, primeiro que gostamos de coisas totalmente diferentes, resolvemos então Experimentar um pouco do mundo do outro e isso reforçou o nosso laço afetivo, porque além de companheiro e namorados somos grandes amigos.

  8. Oi

    Achei muito interessante o assunto. Eu comecei a escrever um livro em 2008 , com um tema muito ineteressante entre um jovem e um coroa bem mais velho. A história é linda e cheia de surpresas. O interessante que eu escrevia e me excitava com as cenas que eu mesmo descrevia. Um dia , quem sabe eu termino e publico o livro. Bem, mas sobre esse assunto, eu tenho percebido a grande quantidade de jovens que se envolvem com maduros e até idosos mesmo. Eu gosto muito de ver filmes assim, mas o mercado deixa a desejar por demais, pois a histórias são muito bobas e sempre os modelos não são grandes coisas. Eu sou maduro, tenho 43 anos. Gosto de homens em si, toda faixa etária, depende da questão de pele, da quimica. Namoro a 06 anos um cara de 29. Gosto mesmo é da moçada bonita.
    Um abraço a vocês!

  9. O que posso lhe dizer amigo, que graças a D’us existem atrações diversas e para nós idosos sempre existe alguém ainda interessado, como acabei de ler acima, nas “marcas do tempo” que são inclementes e cheia de achaques …Me assumi quase idoso, 50 anos, pensei que havia chegado tarde a festa, enganei-me, ainda bem, vivi amores verdadeiros e conheci gente interessante .. me permiti conhecer…fui amado por jovens …. tem valido a vida também neste ângulo afetivo e sexual …. Digo a todos, jovens não percam a esperança se te atrai um idoso, aparece … e Idoso ….existem jovens do bem, e procura-los em locais adequados, claro se você os procura em lupanares … lugares escusos, cinemões e guetos de pegação, com certeza não os achará, mas se os procura em locais adequado a vida se encarregara de os colocara em seu caminho … digo por experiência própria, Agora o que pede deve dar, se vice em antros, não tem tempo ou já esta viciado com este tio e relacionamento e com certeza, não terá estrutura emocional para viver um relacionamento serio a dois …. E, o que mais percebo é isso, pessoas viciadas em antros em busca de relacionamentos sérios … isso não combina … promiscuidade e seriedade são antagônicos, só estou escrevendo isso que serve tanto para mim como pra mais alguém repensar o que de fato quer nesta vida, e casamento é casamento independente de ser homem/mulher. mulher/mulher ou homem/homem.

  10. Também gosto de coroas, e sempre me vi atraídos por eles, hoje já sou quase um coroa, embora continue com a minha preferência, o que me deixa triste não é por também ter ficado coroa, mas sim por eles cada vez mais estarem em extinção e eu ainda não encontrei o meu, foram vários, mas ainda não consegui ter um só para mim, essa é a minha maior desilusão, mas que eu vou fazer, ficaram as lembranças daqueles que me foram legais. Um abraço à todos que também como eu curtem os coroas.

  11. Olá, primeiramente gostaria de Parabenizar o Blog pelos excelentes conteúdos das publicações, sou leitor de longa data e assíduo, contudo, hoje sinto-me na liberdade de poder tecer um comentário, sendo este de interesse pessoal. Sou um jovem (24 anos), estabilizado, possuo formação acadêmica em uma Universidade Federal, atuo como pesquisador, e atualmente cursando pós-graduação nível Mestrado, meu gosto é por homens maduros, numa faixa etária bem eclética. Tomo a liberdade de Agradece a você Regis, por me incentivar por meio de seus escritos, a me aceitar e, sobretudo parar de choramingar e correr atrás, moro em uma cidade interiorana, e para nós, como dito no artigo, realmente é difícil encontrar homens maduros pelo fato de não haver locais de sociabilidade, entretanto, o que me ajudou muito foram as Redes Sociais, por elas perdi meu medo, e consegui estabelecer contatos, e amizades verdadeiras, com pessoas próximas e distantes, acredito que para além da relação sexual, também é válido o companheirismo, pois me sentia sozinho, vazio e conhecendo alguns Coroas, muito legais por sinal, eles me ensinaram muitas coisas, e hoje só do fato de ter esse vínculo já me dá muito suporte que outrora não tinha (sabemos como é difícil conviver com nossos segredos). O que me atrai em homens maduros? Bem, para isso uso minha frase: “adoro as marcas que o tempo nos proporcionam, detalhes singulares que só os que compreendem, conseguem admirar”. Obrigado mais uma vez, pela iniciativa de ter criado o Blog, é válido frisar a importância do seu conhecimento acerca dos assuntos abordados, e se me AJUDOU, acredito que ajudará muitas pessoas, sou profundamente Grato! Um dia quem sabe encontrarei meu Amor…

    • Apolo
      Não precisa agradecer, o papel do blog é esse mesmo.
      Se os artigos publicados ajudam a esclarecer eventuais dúvidas ou incertezas, eu continuarei esse trabalho que pra mim é social
      abraço
      Regis

  12. Eu gosto de coroas. É uma coisa física. Eu sei que pode parecer insensibilidade minha, mas é uma coisa física. No meio da multidão os coroas se destacam.
    Eu gosto dos cabelos (ou da falta deles) da barriguinha de chopp, da cara de papai (ou vovó) e do jeito de HOMEM. Gosto das roupas e até do perfume.
    O grande problema é que após o primeiro contato eu percebo que por traz daquele jeito de coroa quase perfeito existe um homem com defeitos, como qualquer ser humano. Talvez eu seja muito exigente.
    Em alguns momentos o texto deu a entender que alguns (muitos) jovens se envolvem com maduros por interesse financeiro. Eu conheço alguns casos que funcionam desse modo mas, na maioria dos casos os quem procuram um coroa é porque gosta.

  13. Aproveitando, da onde eh a foto dessa sauna? Policia chegou?

  14. Ja desisti de tentar explicar porque sou atraido por coroas. E ainda, masculos, viris, simples.

    Tive otimos relacionamentos com eles apesar da desigualdade cultural e social.

    Na cama e no relacionamento foram maravilhosos.

    To chegando nos 60 e nao esta facil continuar a achar coroas com esse perfil.

    Parabens pelos excelentes artigos.

  15. Olá Queria mais uma vez comentar,pois adorei este blog!
    O conteúdo é muito bom e diversificado e me auxilia nas minhas dúvidas diárias.
    Bem, eu sempre tive atração por caras mais velhos. Atualmente tenho 18 anos e me relaciono com um de 50; me dou muito bem com ele, mas ele mora em outra cidade, mas parece que ele vai vir morar na minha. Será que tem chance de dar certo?
    abraço.

    • Cris
      O que eu posso dizer a um jovem como você?
      Tem um texto de Omar Khayyām, poeta, matemático e astrônomo iraniano: “Viva toda a sua juventude que para envelhecer você tem toda a eternidade”.
      No seu caso, deixe a água correr, pois se essa relação não der certo, outras virão. O mais importante é você viver o presente e tirar o melhor proveito de cada instante.
      abraço
      Regis

  16. Léo Sousa

    Muito interessante este post!!!
    Eu e um coroa de 71 anos nos apaixonamos em 2011, foi o melhor ano da minha vida. O amor dele por mim se estendeu até meados de 2012, mas eu continuo amando-o. Ele viverá no meu coroação para sempre!
    Nunca vou te esquecer Luiz!!!

  17. olá, Regis quero lhe parabenizar pelo belíssimo blog! aqui estou tirando todos as minhas duvidas, e aprendendo cada vez mais sobre esse nosso universo… rsrs
    e alias você escreve tudo muito bem e bem detalhado.

    abraço

  18. Algumas partes muito interessantes; outras, determinista demais.

    Eu sou um exemplo de jovem que sai com coroa porque sinto atração. Não vejo nada de maturidade do mais velho (tem cada infantil, que chega a dar vergonha), ou condição econômica, ou cultural e tal. Pois há tantos coroas de boa condição financeira, que se leu um livro na vida é muito.

    Obs.; Dinheiro e Conhecimento não andam juntos.

    Essa de paizão\filhão é uma das grandes falácias deterministas.

    O mais engraçado de tudo isso, que parece que há um esforço por parte de muitos coroas em achar que o corpo malhado não conta e essas coisas, mas, no fundo, o que procura é esse tipo de gente. Os coroas, mesmo com uma visão mais abrangente, continua caindo na mesma armadilha, será que funciona como um placebo para não se sentir menor??? É ridículo isso, criticam os jovens que só se preocupam com a aparência, mas não deixam de procurar estes.

    Determinar o outro pela situação financeira cai na questão da alienação. Cada vez mais vejo tanto gays alienados e sem cultura que chega a dar um certo desespero. Cultura não é dinheiro, nem trabalho de status quo, cultura é ter uma visão amplitudinal do mundo, é saber sua posição perante a si e a sociedade, é conseguir ver a diversidade, é se dar abertura a novas experiências existenciais, e saber, o mais importante, ser humilde em dizer: isso eu não sei, sem medo de achar que será menos que o outro, pois a vida não é uma partida de vídeo game.

  19. Eu sou um destes jovens que sente atração por coroas. Acho que é por isso que até hoje nunca namorei. pois é dificil arrumar um homem de 40 a 50 anos que esteja livre e que tenha coragem pra se relacionar com jovem.

  20. A esses gays mestiços, de baixa escolaridade e viris na comunidade gay dão o nome de cafuçus!!!

    • Vagner, você está certo, pois cafuçu é um neologismo criado no Brasil, para adjetivar os homens mais rudes, de baixa renda, e que geralmente moram nas periferias das cidades. Se vestem com roupas esportivas, de modo simples e largadão. Geralmente trabalham em coisas que não exigem muito estudo, ou são malandros e não gostam de trabalhar. Adoram passar a rola na mulherada, mas devido a falta de grana, acabam fazendo “favores” comendo gays em troca de cigarros, bebidas ou uns trocados, e no final acabam gostando da coisa, e alguns até querem ser o macho fixo de algum gay em troca de uma “vida boa”.

  21. Regis
    Eu concordo plenamente, quando eu tinha 30 só queria saber dos coroas cinquentões e fui praticamente “reeducado” por um deles. Agora na casa dos 50, ainda tenho atrações por mais velhos, na casa dos 60, mas na prática tenho me relacionado com homens na casa dos 50 ou pouco menos.
    Nas suas pesquisas você chegou a verificar essa tendência?
    Ao envelhecer, quando nos tornamos os “coroas’ passaremos a nos relacionar com os jovens?
    abraços
    Pedro

    • Pedro
      Não acredito que quando envelhecemos mudamos nossas preferências. A pesquisa que fiz foi sobre gays maduros e idosos que se relacionam com jovens e vice-versa.
      No seu caso observa-se que você não trocou o coroa de 60 anos por um jovem de 20 ou 30, mas passou a gostar de alguém da sua idade.
      Tudo isso é normal quando o assunto é sexualidade.
      abraço
      Regis

      • Pedro Santos

        Regis, obrigado por esclarecer.

        Pela primeira vez em minha participo de um blog para Gays. As vezes posso ser desajeitado ao escrever, peço que me desculpem, você todos que participam.

        Acredito ser muito instrutivo e esclarecedor, porque antes disto, eu nunca tive com quem conversar sobre estes assuntos.

        Vou continuar lendo e participando, as vezes encontro palavras duras e tristes de um participante, então fico triste também, mas eu sou uma pessoa positiva, tenho tendência a simpatizar com aqueles que deixam mensagens de otimismo ou de esperança.

        Agradeço a ti e a todos.

        Pedro Santos

      • Pedro
        Welcome to the blog

  22. muito bom este artigo, uma realidade muito bem abordada … parabéns …!

  23. Em toda a minha existência, sempre me relacionei com coroas acima de 65 anos. Nunca em momento algum, tirei proveito nas relações, e também, não havia esse tratamento que o senhor expos de Paizão, Filhão, e, sim atração, sem o padrão preconceituoso, que o jovem procura o Pai ausente na relação, e nunca se vê que a beleza tem várias facetas. Existe um estudo, que 10% dos indivíduos no mundo,gostam de pessoas idosas,
    e não se tem a causa do por quê? Hoje estou com 63 anos e continuo gostando de coroas na mesma faixa etária.

  1. Pingback: Relações conflituosas entre jovens gays e maduros | Grisalhos

  2. Pingback: Duplo preconceito: Ser gay e gostar de idosos | Grisalhos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: