Vida gay no Paquistão

gay_paquistaoHá algum tempo eu publico no blog informações sobre a homossexualidade noutros países e sempre me deparo com surpresas e o Paquistão foi mais uma grata, senão controversa surpresa.

Atos homossexuais são ilegais no Paquistão. Os colonizadores britânicos introduziram leis criminalizando o que era descrito como sexo “contra a ordem da natureza”. Na década de 80, a legislação baseada em leis islâmicas também estabeleceu punições para atividades homossexuais com penas que variam entre dois e dez anos de prisão ou multa – A homossexualidade é um tabu, inclusive entre as famílias paquistanesas.

Curiosidade: Apenas a homossexualidade masculina é punida.

Não existem comunidades homossexuais, saunas, bares e points nem pensar, mas nos últimos dez anos houve um pequeno avanço nas questões de direitos e assim a homossexualidade fervilha naquele longínquo país muçulmano.

Um dos locais de práticas homossexuais mais conhecidos é na cidade portuária de Karachi situada na província de Sindh no sul do país – A cidade é o paraíso dos gays.

Por ser uma região portuária a cidade é ideal para encontros, tanto que muitos homossexuais mudaram para a cidade e alguns vivem em bairros exclusivos de classe média alta.

Os contatos ocorrem em festas particulares promovidas por gays endinheirados e empresários e são organizadas usando a tecnologia, ou seja, o celular ou smartphone.

Hoje em dia, existem apps para smartphones que usam GPS para mostrar quão próximo você está de outro homem gay com um perfil na internet. Existem milhares de homens homossexuais online no Paquistão a qualquer momento do dia. Se você quer sexo, a cidade é um paraíso gay. Se você quer um relacionamento, isso é mais difícil.

O Paquistão é um país fortemente patriarcal. Espera-se que seus cidadãos se casem e a maioria das pessoas obedece à regra. O resultado é uma cultura de desonestidade, mentiras e vidas duplas.

Os gays fazem um grande esforço para evitar qualquer relacionamento com outro homem porque sabem que um dia terão de se casar com uma mulher. Uma vez casados, vão tratar bem suas esposas, mas continuarão a ter sexo com outros homens.

No Paquistão, os homens não são incentivados a ter namoradas e com frequência suas primeiras experiências sexuais acontecem com amigos ou primos. Isso é visto como parte do processo de crescimento e a família tende a fazer vista grossa.

gay_paquistao_templo1Parece utopia, mas o sexo entre homens acontece em lugares públicos, até mesmo em templos religiosos como o Abdullah Shah-Ghazi

As famílias visitam o templo para honrar um homem santo que está enterrado lá e para pedir as bênçãos de Deus, mas o templo também é o lugar de sexo homossexual mais popular da cidade.

Todos os dias, principalmente, às quintas-feiras à noite, quando o sol se põe, homens se reúnem ali. Um círculo fechado se forma e os que estão no centro são apalpados pelos que estão ao redor.

Para quem está fora, parece uma massa de homens se contorcendo e se esfregando uns nos outros. Alguns até descrevem a cena como uma “misteriosa cerimônia religiosa”. Para quem participa, é sexo grupal, anônimo. E não pense você que o sexo grupal é praticado por adolescentes, pois predominam homens maduros e até idosos.

Isso me lembrou das rodas que se formam nas praças públicas de grandes cidades brasileiras, onde ambulantes vendem de tudo e onde homens buscam parceiros para sexo casual e anônimo.

Enfim, talvez demore uma geração ou duas, para que haja uma mudança no Paquistão – mesmo paquistaneses liberais tendem a considerar a violência sectária e a instabilidade econômica muito mais importante do que a sexualidade. Ainda assim, existem alguns espaços privados e até públicos onde homossexuais paquistaneses podem expressar sua sexualidade livremente.

E nesse cenário de vidas duplas as mudanças estão ocorrendo de dentro para fora, pois são os familiares (pai, mãe ou tios) dos homossexuais que procuram negociar com autoridades a liberdade de seus filhos, evitando prisões e punições em praça pública, como ocorrem regularmente nas cidades das principais províncias do país.

Leia também:

Vida gay no Irã

Anúncios

Sobre Regis

57 anos de idade, residente na cidade de São Paulo

Publicado em 16/10/2013, em Comportamento, Religião e marcado como , . Adicione o link aos favoritos. 4 Comentários.

  1. Duda Santana

    É verdade tenho amizades com os paquistaneses, e tenho observado as fotos postadas. Entre amigos.

  2. http://www.youtube.com/watch?v=8LsoPDAelG4 sobre os gays em Uganda, documentário produzido pela BBC. Muito Bom!!!

    • Muito bom mesmo este vídeo sobre Uganda. Coloquei outro documentário em 2 episódios na página do Grisalhos no Facebook, O Brasil aparece no segundo episódio.

  3. Sobre o tema homossexualidade e islã, segue cena interessante de episódio da primeira temporada de Homeland: https://www.youtube.com/watch?v=Kswm6a2Df1Q

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: