Homossexuais assumidos na terceira idade

Quem acompanha o cotidiano dos famosos vai encontrar nomes como Marco Nanini, Nei Latorraca, Luiz Mott, João Silvério Trevisan e os internacionais Nathan Lane, Ian Mckellen, Richard Chamberlein entre tantos outros.

Quando viramos o espelho para o nosso rosto a situação é bem diferente por razões óbvias como o preconceito e a discriminação.

Eu me lembro do quanto sofri na adolescência até a fase adulta. Não foi nada fácil fugir da realidade daquele cotidiano e atingir a maturidade sem muitos resquícios do passado, pois sempre ficam marcas profundas que não dá para apagar do dia pra noite.

Outro dia eu conversei com meu psicólogo sobre o assunto e ele me perguntou: assumir é realmente importante pra você? Sinceramente, até hoje eu não sei a resposta. Vou esperar a terceira idade chegar e ai decido se assumo ou não a minha condição de homossexual.

Cada um molda a sua existência e o seu comportamento de acordo com as circunstancias, os cenários e as possibilidades que permitem ou não assumir a homossexualidade. O que vale para o Nathan Lane mesmo famoso não serve pra mim, simples mortal.

O relato a seguir é um belo exemplo de quem assumiu a homossexualidade na terceira idade. Preste atenção nas circunstancias e nos cenários.

Morador da Rua 3 de Maio, no Pelourinho, Francisco Georgiano Diniz, 79, vidente, mais conhecido como professor Jorge Pelourinho, aos doze anos percebeu a sua opção sexual e aos treze fugiu de casa sem nenhum documento.

Foi nas casas de prostituição na cidade de Natal, no Rio Grande do Norte, capital do Estado onde nasceu que Jorge encontrou abrigo. Ele trabalhou como faxineiro e todas as prostitutas gostavam dele.

Perguntado sobre como era ser homossexual na juventude, o professor Jorge declara, “Era tudo bem discreto, mas era discriminado. Para estudar tinha que ser incubado”. Mas a vida do professor Jorge mudou completamente quando ele conheceu o circo.

A magia dos espetáculos circenses o fez fugir novamente. Foi aos 17 anos, quando tinha retornado para casa a fim de pegar documentos. No picadeiro ele atuou como acrobata, trabalhou com teatro e foi bailarino da Companhia de Dança Raul Levit.

“Eu não aceito esse negócio de pagar. Sexo não se vende”, disse o professor Jorge, que afirma nunca ter gostado de pagar para manter relações sexuais. Por isso, teve apenas dois parceiros estáveis. Hoje ele mora sozinho. “Nunca senti solidão, porque preferi viver só”, disse.

Perto de completar 80 anos, Jorge Pelourinho não reclama da vida nem do fato de ser homossexual na terceira idade. “Tive pavor da juventude. Tudo era difícil por causa da idade. Hoje adoro ser idoso, sou respeitado”, afirmou o professor.

 E você leitor, o que pensa sobre o assunto?

Anúncios

Sobre Regis

58 anos de idade, residente na cidade de São Paulo

Publicado em 09/11/2012, em Sexualidade e marcado como , . Adicione o link aos favoritos. 10 Comentários.

  1. assumir a homossexualidade é muito difícil e não importa a idade, eu me assumi para quem é próximo de mim,e assumi porque eu tinha um relacionamento “secreto” que não estava dando certo, e estava muito infeliz, não queria decepcionar ninguém. Explodiu como um bomba porque nunca ninguém desconfiou nem meus amigos gays. Agora posso amar sem me sentir repreendido, ou errado estou muito mais feliz. Não me importo com a opinião alheia, pois os outros não vivem minha vida e não vou deixar de ser quem eu sou por causa dos outros.

  2. Pedro Stoppa

    Assumir-se Homossexual, é um fato político, você não se permitirá mais o constrangimento e o policiamento de ninguém, a sua estima é conquistada, quebraram-se os grilhões, a sua individualidade torna-se plena.

  3. Marco Villa

    Sei que algumas pessoas acham certo assumir, respeito a opinião deles, No entanto acho que a melhor forma é ser enrustido, hoje é tão fácil achar alguém que pode ser um amigo e eventualmente um amante.Não concordo com as pessoas que acham que é um peso esconder, vejo isso como uma aventura e aprecio muito a idéia de que isso é proibido,causa maior prazer,Encontrando um parceiro que pensa do mesmo modo, e que tenha as mesmas características acho o ideal.Quando a quantidade de enrustidos,ou moradores de armários tenho certeza que são a maioria. finalizando não acho nada de errado a prática de sexo entre pessoas do mesmo sexo,afinal isso era bem comum na antiguidade. Faça amor não a guerra,
    marco

  4. Já li e reli este post porque acho interessante, para se refletir e pensar no assumir ser gay. Entretanto, eu também concordo que se assumir gay é uma questão de foro intimo, porque cada um sente a homossexualidade de um jeito, conforme suas condições sociais e diversas, porque cada um vive um mundo ou condições diferenciados.
    Por se tratar de um post muito importante e fundamental sobre assumir-se na velhice gay, percebo que só os mais inteligentes e geniais deram suas opiniões.
    Eu me identifico com algumas delas. Sou casado, direi que sou bi, como se costuma dizer por ai, mas, eu me reconheço mesmo é como gay, homem que gosta de outro e sente atração por pessoas do mesmo sexo, embora me sinto muito atraído pela fêmea (mulher), não sei se por todas, mas pela que escolhi para ser minha companheira e mãe de meus filhos.
    O pior é que ela não tem nada que se identifique comigo e no campo do sexo ela é contra a homossexualidade em todas as formas de não aceitar.
    Acabo de completar 60 anos de idade e nunca senti nada contra eu ter uma forte porção gay. Prefiro achar os homens mais bonitos que as mulheres, cada um nas suas formas físicas. Prefiro olhar para um homem feio do que para uma mulher muito bonita. Prefiro admirar a bunda e as pernas finas de um homem que admirar os peitos e pernas bonitas das misses. Pronto, falei tudo e agradeço a Deus pela minha cidadania que me permite o acesso às fontes de conhecimento e apredindizado como o BLOG DOS GRISALHOS.

  5. paulo azevedo chaves

    O mais difícil na velhice é a indiferença nos olhares dos bofes que cruzamos na rua. Por isso mesmo fiz um pacto comigo: se não me olham, também me finjo de cego ; se não sou cobiçado, também não cobiço.A vida tem várias etapas e é necessário se adaptar a cada uma delas. Nada mais ridículo do que um velho dando em cima de pessoas jovens ou maduras que não têm o menor interesse sexual nele.

    • Paulo, eu acho que essa atitude pode te causar perda de muitas oportunidades de conhecer alguém legal, alguém que vc se sinta atraído. Se vc não olha, o outro não olha e dai passam todos desapercebidos e nada muda nessa história. Eu aprendi que é dando a cara pra bater que se atinge nossos objetivos, mesmo que seja o de cruzar o olho de alguém, mostrar o desejo e receber o desejo de volta. Eu passei a minha vida toda assim, como vc descreveu. Percebo que não passei por experiência nenhuma, não vivi nada e não senti nada…. e agora que mudei vejo que tem sim muita gente querendo e desejando encontrar alguém.
      É bom isso, do jeito que vc disse?! eu digo que, por experiência própria, que não.
      Um abraço,

  6. “Eu me assumi definitivamente quando vi quem meu sofrimento não estava somente comigo e sim em todos de minha família, fui casado 16 anos, tive trés filhos, vivia uma mascara que um dia iria cair ou alguém tiraria de mim….preferi eu mesmo fazer isso….já que me sentia sujo e mau lavado por ter nascido assim…quando conheci pessoas que viviam do mesmo dilema que eu, resolvi então repensar nos poucos momentos de felicidade que proporcionei para a pessoa na qual eu vivia…se eu posso ser feliz como e sou então ela também poderia ser….fiz o que meu coração mandava….creio que amar alguém é ter uma atitude digna e de respeito….exerci o respeito e o amor falando a verdade e deixando que a outra metade de mim vivesse livremente….recomeçar aos 46 anos não vai ser fácil….mas sambem não é algo impossível…sou feliz….sou contente…..hoje ando normalmente….os falsos moralistas que me perdoem…..minha escravidão de razões alheias terminou….hoje sou eu mesmo…sou gay……

  7. Eu relutei até a última gota de meu suor, resistindo e lutando para não me ver como homosseuxal até os meus 45 anos. Depois disso, percebendo que a vida não quis abrir mão, relaxei e me entreguei ao convencimento de que eu era sim um homossexual, e que nada poderia mudar isso. Reconheço que depois, disso a vida pra mim ficou mais leve. As oportunidades parecem que se estamparam em minha frente. Comecei a observar que muita gente, mais muita gente mesmo é homossexual (enrustido). Falei sobre a minha sexualidade para poucas pessoas do meu convívio, para aqueles que mais confiava, e o que me surpreendeu foi o que me disseram: “Mas eu já sabia disso… o que há de errado nisso?” Pobre inocência minha, os outros já sabiam o que eu não queria saber…rssss
    Penso que não devemos levantar bandeiras, mas por outro lado, se nos revelarmos, agente estará se juntando mais e nos dando mais força, proteção e criando menos homofóbicos nesse planeta. Não adianta ficarmos enrustidos e passar por esse mundo sem ter contribuido com a libertação dos demais. Hoje eu me sinto totalmente livre, comigo mesmo.

  8. Assumir ou não é algo de foro muito íntimo. O que mais se faz de importante é antes de tudo assumir para vc mesmo, quem vc é de fato e resolver de vez que o maior inimigo que
    temos :nós mesmos.
    A partir daí fica a critério de cada um. Eu sou brasileiro e eu não entendo o porque de tanta especulação em cima da sexualidade alheia, que diferença isso vai fazer. Tenho um colega que sentiu necessidade de espalhar a notícia pra toda família e no círculo diz ke foi um alívio mas o resultado disso implicou conflitos….mas até hj pelo que eu sei vive sozinho….porque ele é assumido e quer encontrar outra pessoa também assumida….não apareceu ainda rsrsrs………..
    Eu acredito que tudo tem a sua hora…pode ser na adolescencia, na maturidade ou na velhice.Há coisas na vida que falam por si só não há necessidade de verbalizar…..uma
    linguagem corporal, sua interação social, sua conduta frente determinadas situações, seus posicionamentos…… tudo delata e relata quem vc é.
    É o big brother na vida real….pra todo lado que vc vai tem uma CAM.
    Tem muita gente que se acha esperto, não dá pinta, bofe, casado,mas todo mundo já tá sabendo que AQUELA COCA É FANTA E PIOR FANTA -UVA (frutinha)….precisa assumir alguma
    coisa????quem é o bobo da corte???
    A gente se poê aonde a gente se coloca.Tem gente que se reprime tanto que quando tem uma oportunidade, se lambuza do deleite, e é nos pequenos erros onde são feitas as maiores
    cagadas…….atitude é tudo.
    obs: de boa sem julgar ninguém ok

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: