O taxista bissexual

História de motorista de taxi e envolvendo sexo todo mundo tem uma pra contar.

Os taxistas em sua maioria são assediados por mulheres e por gays, principalmente, na noite das cidades, pontos de baladas e points gays – Existe até o fetiche de transar homem que dirige taxi, bem como, existe a homofobia de taxistas que maltratam e até matam os gays. Basta acompanhar as páginas policias dos jornais para ter notícias desse tipo de crime.

Outro dia conversando com um amigo concluímos que a profissão de motorista de taxi é quase exclusiva de homens heterossexuais e nesse ambiente predominantemente machista, as mulheres estão ganhando espaço e tomando as ruas das cidades a bordo dos taxis. Já os motoristas gays são minoria e os poucos são enrustidos e vivem no armário. Até arriscamos um palpite: Existem mais taxista bissexual do que homossexual.

Eu me lembro do tempo quando eu frequentava os guetos e as noitadas nos finais de semana. Depois de muita bebedeira eu terminava a noite da mesma maneira que eu começava, ou seja, sem ninguém. Não era um hábito, mas sempre que podia eu pegava um taxi para ir para casa.

Nesses cinquenta e três anos de vida eu tenho boas lembranças de transas com taxistas. Alguns encontros foram de pegação e brincadeiras sexuais, outros apenas tentativas frustradas de levar o motorista para um hotel e raras foram as relações sexuais de fato. Pelo menos eu passei ileso e sem violência física.

Eu me lembro do Gumercindo ou Guga como eu gostava de chama-lo. Filho de italianos do bairro do Brás em São Paulo e no auge dos seus sessenta e sete anos, Guga era um homem forte, cara de macho, barrigudo, peludo e voz rouca – era o típico taxista paulistano dos anos 1960.

Durante dois anos eu usei regularmente os seus serviços, mas sempre durante o dia e sempre de segunda a sexta-feira. Não é que ele me cantou para saber o tamanho da minha piroca. Isso mesmo, piroca! Foi essa palavra que ele pronunciou. Daquele dia em diante Guga ficou intimo e depois de alguns meses terminamos num motel. Guga era louco por uma piroca, mas a sua maior tara era ter os seus mamilos bulinados, apertados e beliscados.

Guga era bissexual, casado, pai de duas filhas, avô de três netos e bisavô de um bisneto. Uma vez me confidenciou que passou a vida sonhando um dia ter uma relação sexual com outro homem. Pelo menos ele não passou nesta vida sem ter realizado o seu sonho. A nossa relação era eventual e sem mais nem menos terminou da mesma forma que começou.

Talvez ele nem esteja mais neste mundo, mas quando eu me lembro das minhas aventuras sexuais com o Guga, sempre me vem à memória boas lembranças de um tempo que não volta mais.

E você caro leitor, tem uma história dessas pra contar? Deixe os seus comentários.

Anúncios

Sobre Regis

58 anos de idade, residente na cidade de São Paulo

Publicado em 04/09/2012, em Contos da cidade, Sexo e marcado como , , . Adicione o link aos favoritos. 9 Comentários.

  1. Guto Buratto

    Aqui em Floripa transo eventualmente com um taxista, ele é muito bonito, educado, carinhoso. É casado, tem amante, mas transa com qualquer pessoa que der uma cantada.

  2. No rio de janeiro. É comum sexo oral. Mas eles cobram para ser mamados

  3. Dizem isso porque vcs não moram em Salvador; lá a coisa mais comum é transar com um taxista.

  4. Tenho 55 anos e vivi com taxista de 70 a 82, foi maravilha, ninguem nunca desconfiou de nos, tenho saudades dele que foi pra argentina com um mais novo, aquele era o cara.

  5. Quem frequenta a Vieira de Carvalho deve conhecer um taxista idoso – tem mais de 60 anos – casado, gordo. Ele é bonitão e eu sei que ele tinha um caso, pois eu conheço o lugar onde eles se encontravam. Ele tinha um carro da marca Santana da Volkswagen, agora não sei que carro ele tem. O ponto dele era na própria Vieira. Não sei se ele ainda trabalha lá, pois já faz muito tempo que eu não frequento o local.

  6. ANTÔNIO CARLOS DA COSTA

    Nos anos 80 tinha 20 anos e conheci um senhor taxista beirando os 70 anos.Era pai de um ex-colega de colégio.Pegava sempre o taxi dele nos finais de semana pra me deixar em casa. Na época eu estava começando a me sentir atraído por pessoas idosas cuja diferença de idade ente eu e ele fosse de 35 a 40 anos. Uma vez eu estava um pouco embriagado e cantei o bonitão idoso(dentro do taxi), pedindo que ele tirasse pra fora seu pênis pra eu chupar. Ele ficou entre surpreso e pasmo e não aceitou, depois de boliná-lo. Fiquei frutrado. Ele me deu muitos conselhos porque ele era de uma geração muito machista e era católico praticante.Ele já faleceu e eu fiquei só na vontade!

  7. Gostei da história. E fiquei me perguntando: quantos anos vc tinha quando aconteceu?
    Olha, com taxista, nunca aconteceu. Nem com homens de 63. Até porque eu raramente andei e ando de táxi, que, na minha cidade, é um luxo acima das minhas posses. Mas, confesso, algumas poucas vezes já desejei o motorista, bem mais novos todos eles do que o da sua história. Numa das últimas vezes, pedi o fone ao garotão, com a desculpa de chamá-lo na próxima corrida ao aeroporto, mas depois desisti … Não senti firmeza.
    Nunca conheci um taxista assumidamente gay, mas um amigo ficou com um, no carro dele, na beira do lago, mas a paquera não rolou no táxi… que foi só o local do encontro.
    Taxisitas, como mecânicos, como frentistas, motoristas de caminhão ou ônibus, pedreiro, quase todos trabalham em ambientes homofóbicos. Mas assim também é entre médicos, bancários, advogados. Talvez só mesmo diplomatas e alguns juízes se permitam… assumir. Sem chances, então, por questão de sobrevivência, de assumirem… Mas que existem, existem! Afinal, eles são tão humanos como qualquer outro ser humano.

  8. Falando em taxista, eu me lembro dos taxistas de Porto Alegre-RS. Tive seis dias em janeiro do ano de 2011 em Porto Alegre, odorei os taxistas de lá. Tenho uns senhores muito educado. Parabéns a vocês taxistas de Porto Alegre! Eu acho que vocês serão assediados por mulheres e por gays, varia vezes ao dia, por que vocês são muito educados e lindos.

  1. Pingback: O caleidoscópio da homossexualidade masculina  | Grisalhos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: