Coisas que todos os gays deveriam saber

O nosso cotidiano é recheado de histórias, muitas com humor e outras nem tanto, mas ainda assim, eu sempre me aventuro  a colecionar e compartilhar com vocês o que se diz ou o que se ouve nos meios gays.
Há casos isolados e únicos e há uma coleção interminável de histórias comuns a todos os gays.
O que muda é o cenário dos locais de frequência dos gays nas cidades, a idade de cada um e sempre da juventude para a velhice e com ela o aprendizado se completa.
Ficam as lições únicas de que nada é perfeito ou eterno e que o mundo não é cor-de-rosa e que as cores do arco-iris cobrem as nuvens negras e os dias de sol da vida de todos nós.
  • O amor entre gays existe, mas tem que cultivar e cuidar todos os dias;
  • A questão da pele define os papeis na relação gay;
  • Amor é verbo intransitivo, portanto, não pode haver platonismo;
  • Cobiçar o companheiro de outro gay é prática corrente no meio homossexual;
  • A traição é uma questão de oportunidade;
  • Cuidado com o seu melhor amigo, ele está de olho no seu parceiro;
  • Parece que todos querem te ver feliz. É apenas aparência.
  • A infidelidade ronda os casais gays;
  • Quando não tem mais sexo a melhor coisa a fazer é romper o relacionamento;
  • Acabou a relação? A amizade vai acabar mais cedo ou mais tarde;

Outro dia vasculhando a Internet eu achei a seguinte frase:

A solidão não é coisa dos gays e sim de todos que se apoiam emocionalmente no outro ou nos outros. ACORDA BICHARADAAAA!

Já, Arnaldo Jabor tem uma frase célebre:

O perigo do sexo é que você pode se apaixonar. O perigo do amor é virar amizade.

Isso acontece todos os dias entre os gays. Aquele gostosão que você transou na semana passada não lhe sai da cabeça. Aliás, você se lembra do seu nome?

Depois de vinte anos de relacionamento estável eles se tornaram amigos!

Às vezes por falta de mercadoria melhor você se envolve com qualquer um.

O desespero ronda os seus dias e isso o torna vulnerável nas suas relações;

Dizem que apenas os gays passivos se apaixonam por seus homens.

A submissão é marca registrada dos apaixonados, mas cuidado, porque nem todo passivo é submisso.

Palavras de um gay sessentão:

Quando eu tinha vinte anos, eu transava um homem diferente por dia.

Quanto eu tinha quarenta anos, eu transava um homem diferente por mês.

Agora que tenho sessenta anos, não consigo uma relação sexual por ano.

E quando eu morrer, lá pelos oitenta anos, não haverá nenhum gay no meu velório.

A frase a seguir eu ouvi de um conhecido num bar da Rua Vieira de Carvalho, no centro de São Paulo:

O mundo gay é tão pequeno que aquele homem com quem você fez sexo no ano passado, já rodou na mão de todo mundo e ainda vai acabar tendo um caso com você.

Os gays estão sempre felizes e rindo de tudo.

Não acredite nessa máxima, porque na verdade eles estão apenas escondendo a rejeição, o narcisismo que só ele acredita e a ilusão que encontrará um homem perfeito para dividir suas alegrias e tristezas.

Declaração de um gay de 55 anos:

Sinto-me abandonado na sarjeta de meus sentimentos e no amor platônico pelos ninfetos que dificilmente irei alcançar.

Nem tudo está perdido para os gays. Somos seres humanos frágeis e suscetíveis a todas as variantes das relações humanas. As nossas escolhas são únicas e o sucesso ou não de cada decisão depende, exclusivamente, da maneira como nos conduzimos no aprendizado da vida.

Eu comparo a vida gay aos clássicos safaris na África:

No safari era a busca interminável pelo animal mais raro, na vida gay é a busca e uma caçada sem fim pelo homem ideal.

Pra finalizar: Há de tudo em todos os meios. Eu conheço gays que vivem casados, moram juntos e são fiéis e felizes. Há outros que não esperam um minuto para trair na ausência do companheiro. Há aqueles que esperaram uma vida inteira para encontrar um parceiro e põe tudo a perder em questão de minutos.

A maioria quer apenas curtir e transar e isso vale para todos, inclusive os gays idosos, o que também é uma opção legítima, faz parte da vida e das escolhas de cada um!

Anúncios

Sobre Regis

58 anos de idade, residente na cidade de São Paulo

Publicado em 16/08/2011, em Comportamento, História, Humor, Opinião, Relacionamento, Sexo, Sexualidade, Sociedade e marcado como , , , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. 16 Comentários.

  1. eu tenho 38 anos e conheci um homem com 66 anos, estamos juntos a 2 anos e cada dia que passa estamos mais apaixonados,interessante que moro em barao de cocais-mg e ele no rio de janeiro ficamos juntos todo mes por 15 dias,tudo que a gente faz , ou pensamos está relacionado entre nos dois, graças a Deus tudo esta dando certo, desde criança sempre senti atraçao somente por coroas aciama de 60 anos e hoje apaixonados…

  2. verdade, todo mundo quer, mas nem todos têm, quem persistir talvez o tenha cfe. o seu desejo e tamanho de sua vontade, boa sorte a todos.

  3. Não deixe que a experiência pessoal até agora de sua vida coloque todos na mesma condição. Eu sou maduro, grisalho, tive três casamentos duradouros e legais. Mesmo com o último sendo difícil e doloroso na separação, ainda procuro por um perceiro para o quarto casamento. Sei que é bem difícil bater os corações no mesmo ritmo mas não descarto a possibilide de encontrar. Não tenho problemas com idade, nem com a minha nem com as de meus parceiros. Amo os mais velhos e os mais novos o que eu gosto em uma pessoa não está atrelado ao tanto que ela viveu, mas ao que ela valoriza na vida. Nunca traí e me orgulho disso. Cada um sabe de si. Espero que as amarguras se dissipem e que todos possam encontrar o seu parceiro e que seja eterno enquanto dure. Abraço a todos!

  4. Emanoel monteiro

    Namoro um maduro há tres anos e uma hora acho ele honesto e sincero outra … as vezes ele não me passa confiança já terminamos varias vezes…

  5. Estou a procura de um gay maduro, geralmente quando eu acho algum é casado, será que no interiorzão não existem os gay maduros que estão só?

  6. Aos 17 anos conheci meu companheiro, e no meio de acertos e erros, temos a convicção que a sorte do amor reuniu forças para que após vinte anos, eu e meu papito com 13 anos de diferença de idade nos apaixonassemos diariamente, todos os dias! olho e vejo está pessoa que me faz feliz a cada momento que o vejo. Espero poder estar com ele todos os dias da minha vida.

  7. Parabéns pelo texto e o comentário do Litinho. Acreditar no amor é a maior dificuldade de um gay nos dias atuais.
    Mesmo sem pensar em namorar com uma pessoa mais velha que eu, hoje tenho dificuldade no meu relacionamento devido a questão de valores, ele acredita que eu por ser mais novo, na primeira oportunidade, poderia traí-lo, mas o pior é que ele quem fica “olhando com curiosidade”, como ele diz, para os homens na rua…rs
    Será que um gay mais velho pode acreditar que algo novo pode acontecer em sua vida? Ou os vícios do passado são tão fortes que não os deixam curtir um novo amanhã?

  8. É difícil e talvez até impossível um relacionamento com um desses seres como eu queria, duradouro, e tudo o mais que um coração pede. Como descrito acima em um dos comentários,se você não for lindíssimo, carão, com jeito de macho burro, e também branco, está fadado à solidão. O amor entre dois homens existe, mediante uma boa conta bancária, ou um bom emprego com um ótimo salário outras coisas mais. A verdade é que ninguém está afim de ninguém. Só por algumas horas até que o gozo os separe!

  9. Quando se é gay e gosta-se de coroas, só há dois caminhos: ou você faz o tipo do grisalho em questão e pode ou não transar e se apaixonar e morar junto e coisas assim, ou passa a vida inteira sendo escorraçado e sendo olhado como carne podre.

    Eu sempre gostei e sempre gostarei de homens mais velhos, e não só para transar: eu acho homens grsalhos LINDOS, FOFOS, MARAVILHOSOS, e não tenho controle sobre meus sentimentos quando me deparo com um. Infelizmente, desde que sites e blogs fizeram deles (principalmente a parcela gay) ” a última bolacha do pacote”, e pior, eles acreditaram nisso, a porcaria foi feita. Não dá nem pra ser amigo e se você não for um modelo lindíssimo com barriga tanquinho e branco.

    Tenho 42 anos. Para que eu pudesse pelo menos beijar alguém na boca eu tive que frequantar uma das saunas mais mequetrefes do mundo; quando me disseram que havia lugares onde todos poderiam pelo menos s sentir acolhidos, eis que me deparo com coroas que só olham pra caras como eu ou com desprezo ou como mais um trouxa para pagar por uma chupetinha. No final das contas, a verdade nua e crua é que ser gay e gostar de grisalhos é um passaporte eterno para a solidão. O que não se pode é destilar amargura pela vida. De vez em quando desabafar com palavras nada gentis, mas nunca desistir de viver feliz e com um sorriso no rosto.

    • Olha Sidney não sei concordo inteiramente contigo, eu tb gosto muito dos coroas grisalhos eu acho vem a ser até quase uma obcessão, o pior de tudo é que geralmente vc acaba gostando daquele que não está muito afim de vc e vice versa vc acaba não dando bola para aqueles que te querem.

  10. Parabéns pelo texto sendo muito realista.

  11. Litinho Verde Felipe

    Pode parecer utopia ou babaquice, mas creio que a meta e o destino do ser humano são buscar e encontrar o amor, maduro, consistente, sólido, longe da fantasia, ligado à realidade, mas sincero e voltado ao crescimento a dois. Não acredito que nosso destino, como seres humanos, esteja limitado simplesmente a frequentar saunas e quetais e se contentar com isso, como se o sexo fosse a única coisa boa e possível que nos reste e na qual tivéssemos que nos atirar feito piranhas nas peles dos bois. Se não alcançamos a fase da construção do amor, mas do amor mesmo, aquele sentimento que nos enobrece e nos eleva a cenários outros, bem distantes da mesmice do dia a dia, é por não termos ainda nos mobilizado plenamente nessa conquista. Descreditamos do amor e não investimos nele. Preferimos gozar em saunas com desconhecidos dos quais nem sabemos o nome. E cometemos a suprema contradição de dizer que não beijamos na boca por ser muito íntimo. No entanto, praticamos sexo oral e anal com a maior facildade e desenvoltura, como essas duas práticas não fossem extremamente íntimas. Creio no amor pleno, aquele em que duas pessoas, homo, bi ou heterossexuais, estejam juntas por eleição e vontade, uma aspiração do desenvolvimento completo como seres humanos. No fundo, todos queremos isso, mas quem está disposto a fazer autocrítica, superando seus limites para chegar lá ? Sim, porque para atingirmos essa finalidade maior da vida é preciso que venhamos a rever nossos caminhos, atitudes, valores, escolhas, ideias, pensamentos e sentimentos. Alguém se habilita ? Estou nessa busca, com muitos e sofridos tropeços, mas não perco a esperança, e sei que um dia chegarei lá. Porque saberei conquistar essa felicidade, incomensurável.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: