O gay maduro vivendo o presente

Nem sempre é fácil aceitar ou assimilar as situações do cotidiano

A maioria dos gays na maturidade e mesmo na velhice ainda trabalham e isso é importante porque, de certa forma, isso ajuda a manter o equilíbrio mental e nos sentimos úteis à sociedade.

Mas ao cair da tarde de cada dia voltamos para a nossa realidade e aí cada um enfrenta as suas verdades.

A primeira delas é a nossa vida particular – aos gays que não tem relacionamento fixo ficam algumas lacunas que devem ser preenchidas com leitura e entretenimento porque a angústia é fácil de se instalar.

Quantas vezes você janta sozinho? Você até se acostumou, mas é realmente isso o que você quer?

Você se ocupa com televisão, leitura, música e o que mais?

Muitos de nós moramos e vivemos sozinhos. Temos outros afazeres, como: estudos, médicos, grupos de apoio e uma minoria sai para os bares para ocupar o tempo. Não é de se estranhar que em plena segunda-feira os gays saem para os points, mas são os gays mais jovens porque os maduros e idosos estão reféns do seu cotidiano, já assimilado ao longo dos anos e devido ao isolamento social.

O cotidiano de cada um é específico, mas os sonhos e anseios são semelhantes na maioria dos casos.

Eu ouvi dizer de gays que estão sozinhos há mais de 20 anos e não encontram uma saída para mudar esta realidade, mas ainda assim, o estado de espírito tem que estar elevado.

É difícil falar sobre “estado de espírito”, mas deve-se buscar um equilíbrio emocional e espiritual que nos permita viver uma realidade menos traumática. O  companheiro que tanto buscamos vai aparecer no lugar que menos esperamos. Ele estará em qualquer lugar menos dentro da nossa casa.

A vida é única e é um presente de Deus, portanto, vivamos de acordo com o presente recebido. Eu sei que existem gays que não acreditam em Deus, mas ainda assim, vale a pena acreditar em algo superior a nós, uma forma invisível que coordena toda a matéria do universo e rege a nossa vida de uma forma ordenada e lógica.

O que eu escrevo não é auto ajuda, mas a constatação de que tudo na vida é passageiro e efêmero. Hoje eu estou muito gripado e mesmo assim preferi ir para o trabalho a ficar em casa, de cama, esperando a febre diminuir ou melhorar a minha condição física.

Quando o expediente terminar, vou para casa e tenho a felicidade de ter alguém me esperando para jantarmos juntos e conversar sobre os acontecimentos do dia e mais à noite serei medicado e vou dormir em paz.

Esse é o meu cotidiano e que nem sempre foi assim, tão bom. Já tive dias, meses e anos de solidão e angústias, mas nunca perdi a esperança de um dia poder viver momentos felizes, mesmo que esses momentos durem apenas um dia.

A melhor fase da minha vida está no presente.

Em 1985 eu tinha um amigo que esperou 10 anos para encontrar um companheiro. Num dia qualquer ele conheceu a sua “alma gêmea”, fez sexo e uma semana depois, ambos morreram num acidente de carro a caminho do Rio de Janeiro.

Se você ainda não leu, leia um artigo que escrevi no ano passado, pois tem tudo a ver – Gay maduro falando de afeto.

Esqueça a situação da sua vida por um instante e preste atenção à sua vida.
Qual é a diferença? A nossa situação de vida existe no tempo. Nossa vida é agora.
Nossa situação de vida é coisa da mente. Nossa vida é real.
Texto de Eckhart Tolle do livro: O Poder do Agora.

Anúncios

Sobre Regis

58 anos de idade, residente na cidade de São Paulo

Publicado em 26/07/2011, em Qualidade de Vida, Relacionamento e marcado como . Adicione o link aos favoritos. 5 Comentários.

  1. Caro Gri.
    A poucos minutos conheci seu blog gostei muito do espaço dado a ele e como o mesmo e conduzido.
    Gostaria tambem de agradescer por vç ocupar parte de seu tempo a ler e responder a todos que tem duvida!

  2. Sobre o artigo ” O gay maduro vivendo o presente ” achei o mesmo muito deprimente e ao mesmo tempo egocentrico… Presumir que em seu aritgo tenha alguma conotação de ” Auto Ajuda “, somente se for no planeta Marte.
    Gosto desta revista eletrônica, mas esse como os demais artigo seus, são de um conteudo abissal, desculpe mas acho que você esta precisando de apoio psicológico…

    • Vanderlei
      Não sou perfeito e o blog é um espaço democrático.
      Obviamente, os artigos são transcrições de pensamentos e realidades vividas por mim e por gays que me procuram para compartilhar idéias.
      Aceito suas críticas, porque elas ajudam e melhorar o conteúdo dos posts.
      Não precisa se desculpar, apoio psicologico é bom e eu gosto. Quer me ajudar?

      abs

  3. Lendo seus escritos, sobre a solidão, me ocorreu uma ideia. Por que não arrumamos um espaço para que todos gays de nossa idade frequentem e tenham uma convivência com as pessoas que sentem e que estam na mesma situação. Este espaço poderia ter um bingo, baralho, poker, roda para cada um falar de si, enfim podermos ter uma convivência, entre amigos. Não seria bom?

    • Eduardo
      Suas idéias são excelentes, mas compete ao estado criar condições e ambientes de socialização para os gays na melhor idade.
      A iniciativa privada não tem interesse porque precisam ganhar muito dinheiro. Interessa a eles apenas o mundo mix que venda produtos e serviços e gere receitas.
      Realmente, faltam espaços urbanos e locais apropriados onde os gays possam socializar.

      abs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: