Gays maduros: o poder cósmico da solidão

No último domingo eu encontrei um velho conhecido. Ele já está na casa dos sessenta anos e vive um momento de desilusão.

A história é mais ou menos assim:

Cardoso é um gay inteligente e culto. Durante a vida não teve mais do que três relacionamentos.
Os seus ex-casos morreram e ele ficou sozinho. Ele nunca foi de frequentar ambientes ou guetos gays e recentemente se envolveu emocionalmente com outro homem.

A relação não durou mais do que alguns meses. Cardoso ficou desiludido curtindo uma paixão fugaz e aniquiladora.

Moral da história: Ele está vivendo uma fase muito ruim e não vê perspectivas de que isso acabe logo e o pior: a solidão se fez mais forte e dolorida.

Na maturidade o gay fica exposto e frágil, devido ao isolamento social comum nessa fase da vida. Na velhice ficamos seletivos e exigentes, mas não nos esquecemos de que somos carentes de namorados, companheiros e amigos

Palavras do próprio Cardoso: “Nesta fase da vida, o sexo é apenas uma pequena parte do conjunto de coisas que compõe um relacionamento”.

A vida do homem gay é constantemente ameaçada por um poder invisível e cósmico chamado “solidão. Não importa idade, classe social ou religião.

A verdade desta regra é clara e trata-se de um fato que a gente vai ter que superar sempre, às vezes existe exceção, assim como a regra, mas como nada é para sempre, um dia você estará sozinho, e lá estará a regra novamente, rindo de você.

Imagine-se solteiro, louco para casar, e você vai para a boate, ou encontra alguém na internet, e a pessoa passa no seu teste de qualidade, sem muitos méritos, afinal você estava desesperado em achar alguém.

Mas você pensa, ainda que no fundo, tudo pode dar certo. Mas a gota d´água é quando você cai na real e percebe que o príncipe virou um sapo.
Isso tudo acontece porque quando ficamos muito tempo sozinhos, ficamos fragilizados e caímos em armadilhas tão comuns das relações humanas.

Nós acreditamos que sempre haverá esperança de encontrar o companheiro certo. Idealizamos tanto, que perdemos o senso da razão e aí acontece esse tipo de situação, tão comum entre os gays com mais de 50 anos.

Aprendemos com os nossos erros e continuamos errando todos os dias, porque no fundo nós desejamos apenas o carinho que é o único remédio para combater a solidão.

Anúncios

Sobre Regis

58 anos de idade, residente na cidade de São Paulo

Publicado em 09/06/2011, em Comportamento, Relacionamento e marcado como . Adicione o link aos favoritos. 6 Comentários.

  1. Cláudio Penal

    Como sempre, as análises refletem a realidade e a traduzem com clareza. Tenho amigos que driblam a solidão, ou tentam afastá-la, frequentando saunas, quase diariamente. São idosos e transam com vários parceiros. Respeito a decisão das pessoas, mas não sei se esse é o caminho, pelo menos para mim. Como disse um amigo que morreu há dez anos, quantidade não é qualidade. Ele foi assassinado em casa, por alguém que dormiu na sua cama, ao seu lado, por arrastar qualquer um para sua moradia. Sua solidão era imensa, e não era tímido.Não sei qual é a solução para nós, sessentões, setentões e octogenários, mas a busca desenfreada de sexo não me parece a saída. Todos nós gostamos de jovens, com algumas exceções. É natural que os desejemos por eles terem aquilo que já perdemos: o viço, o vigor, a beleza, a virilidade e todas essas coisas fascinantes da juventude. É a lei da compensação. Acho que o autoconhecimento e o investimento em nós, em todos os sentidos, nos ajudam a percorrer essa trajetória com muito mais leveza. O problema é que a maioria dos homossexuais, inclusive idosos, embora mais experientes, cai numa futilidade de dar dó. Basta ver como se expressam nas redes sociais.

  2. Meu ponto de vista é contrário ao seu. Tenho 77, fui só ativo dos 13 aos 69 anos! Nunca fui tão paquerado como agora, depois dos 70. Solidão é estado de espírito. E a procura por um par, uma doença: A Natureza não faz o par… Na verdade o que eu vejo nesse apego é o desejo de POSSE! Que uma vez satisfeito, enfastia…

    E olha que eu sou dos poucos que Deus premiou com a Paixão.

  1. Pingback: Qualidade de vida dos gays maduros | Grisalhos

  2. Pingback: Solidão de amigos gays | Grisalhos

  3. Pingback: Gay idoso é a bola da vez « Grisalhos

  4. Pingback: Gays envelhecentes: corpo e sexualidade « Grisalhos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: