Um bar chamado Caneca de Prata

A primeira vez que eu entrei naquele bar foi em 1978. Naquela época o local vivia o auge da ferveção gay pré AIDS. Os frequentadores do bar se acotovelavam entre a fileira de mesinhas e o balcão do lado oposto. Casais bem comportados e de mãos dadas trocavam confidencias e bebiam muito chopp, enquanto os solteiros circulavam entre a porta principal e os banheiros no fundo do bar.

Eu, particularmente, nunca gostei de ficar espremido naquele corredor central. O bar possuía três ambientes: o térreo, um mezanino e um local mais amplo nos fundos. Todos os ambientes eram pequenos, mas para um rapaz gay saído da periferia da cidade aquilo era tão grande quanto os seus sonhos.

O Caneca de Prata foi um marco na vida gay paulistana e brasileira. Conhecido em todo o Brasil e no exterior. Fundado em 1943, com o nome de Bar Pierrot, destacou-se como um espaço de encontros de intelectuais, artistas e boêmios. Ali surgiu um polo de cultura e diversão no centro da capital de São Paulo. Havia até apresentações musicais.

Em 1962, o bar mudou de nome para Caneca de Prata, porque naquela época o chopp era servido em canecas de prata.
O Caneca como era carinhosamente chamado foi o bar gay que resistiu durante todo o período da ditadura militar. A polícia não dava batidas no bar por que sabia que era um local de frequencia de grande parte da elite paulistana. E também alguns militares gays.

Desde 1962 até o inicio dos anos oitenta o perfil do público frequentador se modificou e homens discretos que apreciavam a companhia de outros homens ocuparam o espaço, formando um clube no qual a elegância, maturidade e discrição eram constantes.

O Caneca sempre primou por ser um local discreto, quase um Pub londrino. Nesse período o bar era frequentado por empresários e executivos que moravam ou trabalhavam no centro de São Paulo e sempre eram vistos no bar logo após o término do expediente. Eu até conhecia o hábito dos clientes e sabia a hora certa para encontrar um gay perdido no meio dos executivos. À medida que as horas avançavam os gays predominavam e os executivos iam embora. No decorrer dos anos os gays foram tomando conta do ambiente até se tornar 100% gay.

O Caneca de Prata foi um local para homens maduros que se refugiavam na ambientação escura, vidros fumês e portas fechadas, no estilo de bar privativo – marca do Caneca de Prata.

No auge dos meus vinte anos eu via no Caneca um local despojado que favorecia a paquera de homens maduros e era embalado por músicas românticas disponíveis numa jukebox.
As noites das sextas-feiras e sábados eram bastante concorridas. Quem chegasse depois das 22 horas não encontrava mesas livres ou assentos no balcão.

Eu frequentei o bar entre 1978 e 1990 e pude presenciar a sua decadência, o fim do glamour, da segurança, do respeito e da privacidade, dos homens bem vestidos e educados.

Hoje o Caneca de Prata é um bar comum que ainda resiste ao tempo e vive das memórias dos seus dias de gloria, de uma cidade de São Paulo que não se conhece mais.

Anúncios

Sobre Regis

58 anos de idade, residente na cidade de São Paulo

Publicado em 10/03/2011, em História, Memória e marcado como , , . Adicione o link aos favoritos. 25 Comentários.

  1. walter sebastião barbosa pinto

    Belo blog. muito bom. e uma brincadeira: sou maduro (63) e gosto de maduros. gosto de relcionamento mesmo, Como está dificil algum aqui em BH (é raro maduro que gosta de maduro, ainda que existam muitos) fico pensando em importar um de São Paulo (onde parece ter Mais) ou do Rio. Que hoteis, tranquilos par hospedar, existem perto de bares como o Caneca de Prata? E, claro, um roteiro regular onde achar o povo (que já deve existir em algum lugar desta pagina). abraços e parabens pelo trabalho realizado.

    • PIERO ESCOBAR

      PULE FORA, CANECA DE PARTA JA FOI BOM, HOJE É PONTO DE MARGINAIS, MIXES QUE COMBINAM COM MO GARÇOM PARA TE DAR GOLPE DO B.NOITE CINDERELA, ACORDA CARA

  2. Eu ia muito ao Caneca nos anos 70 e comeco dos 80. Depois mudei para New York onde vivo ate hoje e muito raramente vou ao Brasil. Fiquei contente de saber que o Caneca ainda existe e quando for ao Brasil irei la. Tenho otimas recordacoes de la. Espero que nao seja tao perigoso como dizem.

    • GERALDO, EU TAMBEM FREQUENTEI O CANECA DE PRATA NESSES ANOS 70/80 COMO VOCE,ÉPOCA BOA DO MEDIEVAL, BATUQUE, ETC, ENTRETANTO MUITAS E MUITAS COISAS MUDARAM, E TALVEZ VOCE NÃO SAIBA,PORQUE PROCURAM ESCONDER,MAS VOU TE ALERTA,: O CANECA DE PRATA VIDROU ANTRO DE “MICHES” BANDIDOS, ALGUNS COLEGAS NOSSOS FORAM ASSASSINADOS APOS SAIR COM “ESSES CLIENTES” QUE ESTAVAM SEMPRE NO CANECA, EU MESMO FUI UMA DAS VITIMAS DO BOA NOITE CINDERELA QUE OCORREU DENTRO DENTRO DO CANECA,RECORRI A POLICIAIS, POIS QUASE MORRI, CANECA FOI BOM NA ÉPOCA DO MANÉ, RATINHO GARÇOM, DEPOIS VIROU PONTO DE “MICHES” PERIGOSOS, DOA A QUEM DOER ESTA É A VERDADE.,ESCREVA PARA MIM NO MEU E-MAIL QUE EU E DOU DETALHES, ABRAÇOS VELHO AMIGO

  3. JAMIL LAMEIRA

    Caneca de Prata atualmente é um antro de bandidos e fugitivos de cadeias.
    Loca de michê com golpe de Boa noite Cinderela, todo cuidado é pouco.

  4. marrieddaddy

    Estive lá também nesse feriado do Dia da Consciência Negra, e fui muito bem recebido pelo Cicero, e por um senhor lindo muito educado. Pena que não deu pra ficar com ele naquele dia, mas achei a atmosfera muito legal, e essa de Goodnight Cindy é um truque de qualquer lugar. Bebida, só ali, no seu copo, na sua mão, em que mundo você vive, que vai “relaxar” e confiar quando está numa de fazer uma pegação?

  5. Rubens Rosa

    Cuidado ao pessoal que frequenta o Bar Caneca de Prata. Ali é ponto de michê com o golpe boa noite Cinderela. A polícia está de olho.
    Em outros tempos o local era ótimo e hoje é bandidagem.
    Tomem cuidado

    • No último feriado da consciência negra, tive o prazer de ser apresentado ao Caneca de Prata pelos amigos Félix e Marcos. Fui à todas as noites em que estive na cidade. Fiquei encantado com o clima amistoso e a atenção dos garçons. Para se ter uma ideia da confiança que o proprietário tem em seus clientes, o consumo é anotado em comandas e bebíamos na calçada apreciando o bom chope e um gostoso bate-papo, cheio de liberdade.

      • RUBENS ABDALLA

        Parabéns, continue frequentando, é assim que eles gostam. Depois você vai dormir, acorda camarada, olhe pra frente. Aquilo ali foi ótimo, hoje é antro de bandidos. Um detalhe: Vá até a delegacia da Rua da Consolação e a delegacia da Rua Aurora, procure um delegado e pela a ficha desse bar, depois volte-me a escrever.

  6. RUBENS ROSA

    Curti muito o Caneca de Prata nos anos 80, época do garcom Ratinho que depois comprou um bar na mesma rua.
    A partir dai veio a decadência, virou ponto de bandidos, michês e hoje um local muito perigoso, fujam de lá.

  7. thumma thompson

    Eu tive o prazer de conhecer o Caneca de Prata,fui a sampa esta semana e estive la,ouvia falar nesse bar desde meus 15 anos,hoje estou com 43 ,sempre me recomendaram, fui muito bem recebido e servido.
    O cicero recebe muito bem,tudo muda e se hoje já não é mais como antes, teremos que dar graças a DEUS que ainda exista.

  8. Gostaria muito de conhecer o Caneca de Prata, pois sou admirador de senhores coroas

  9. Tenho vontade de ir no caneca de prata, pois além de curtir um bom chopp, eu também aprecio homens com mais idades…
    Porém tenho receio de ir…toda vez me falta coragem….

    Gostaria de saber como é o ambiente ? tem lugares no recinto ? quem pode me passar informações ?
    abs
    Beto

  10. Jorge Luiz Cardoso

    Não concordo com o que disse este senhor gay, sera que ele quer parar o tempo, eu conheci o caneca em 72, de la para ca tudo mudou, o orelhão era de fixa, tinhamos o telex hoje temos internet, a decadencia esta em tudo, quem viajou de avião naquela época sabe o luxo que era voar ( dos ricos café da manhã num voo para o rio a uma barrinha de cereal hoje)da licença né!! aponte um lugar seguro em São Paulo. Continuo frequentando e aproveitando conhecendo pessoas boas e sem recalques e para terminar venha pro caneca aproveitar a noite. Eu não tenho nenhuma procuração para defender o caneca é de coração mesmo.

  11. Da próxima vez que estiver em Sampa, vou dar uma passadinha lá. Embora seje diferente doque era no passado, acredito que ainda vale a pena prestigiar um lugar com tanta história.

  12. Sou frequentador eventual do Caneca e só gostaria de acrescentar que o Caneca hoje ainda representa um ponto de resistência sim. Resistência à decadência das proximidades, resistência à falta de respeito, resistência aos modismos fugazes. Ainda se encontra ali amizade, consideração, respeito sim. As coisas mudam com o tempo. Além disso, o passado sempre nos surge na memória em tons mais suaves ou alegres, como as lembranças q tb tenho do extinto Lord Byron. O Caneca sobrevive (o quanto é possível), se adapta (como é preciso), tem história e faz história ainda, mas, como dizem: “os tempos mudam, as pessoas mudam” e “ou se evolui, ou se extingue”. E parabéns ao autor pela história do Caneca q eu não conhecia. abs.

  13. Concordo com o comentário do amigo sobre o Caneca de Prata, eu que conheci o bar em 60 portanto alguns anos antes; ali aprendi a ser gay e respeitar outro gay; frequentei-o com alguma intermitência até 90; era o tempo em que os garçons e os donos eram realmente nossos amigos e nos queriam lá; os frequentadores, senhores elegantes e educados; em geral nos conheciamos e nos frequentávamos até fora dali; mas os tempos mudaram e hoje temos que nos adaptar a esta nova safra de frequentadores que se acham donos do bar e olham antigos frequentadores como Et´s crendo estar abafando; mas falar no Caneca onde raramente vou devido a esta fauna me faz recordar com tristeza outros points da época tais como Galeria Metropole com o Leco e o Barroquinho, o Barba Azul, Rua São Luiz, Av. Ipiranga, São João e tantos outros locais divertidos e de saudosa lembrança; como disse antes temos que nos adaptar aos novos tempos , que mesmo sem o charme daqueles anos tem sua graça; não podemos ficar só lamentando porque corremos o risco de nos enterrarmos em casa enquanto outros se divertem e considerarmos que felizmente temos lembranças; e continuemos na Vieira que é ainda nosso delicioso ponto de encontro.

  14. Na década de 80, em passeio em S.Paulo, visitei o Caneca, fiquei estupefato com a frequencia de coroas delicados,educados e afins. A Vieira se concentra no C.de Prata.
    Retornei em 2011, passando 60 dias na capital de São Paulo,passei neste Bar, mas contudo notei que os frequentadores nao ofereciam certa segurança ,fiquei muito triste – que pena!Generalizando a Vieira de Carvalho toda está insegura

  15. Cicero Oliveira

    Gostaria de convidar esse cidadão que fez o comentário sobre o Bar Caneca de Prata para vir tomar um chopp comigo.
    Sou Cicero Oliveira, proprietário do Caneca.
    Escreva-me por favor.

  1. Pingback: São Paulo – A Metrópole gay de 460 anos | Grisalhos

  2. Pingback: A vida dos gays nos anos 60 « Grisalhos

  3. Pingback: O mundo gay e o mundo fora dele « Grisalhos

  4. Pingback: O gueto gay em constante transformação « Grisalhos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: