Arquivo mensal: março 2011

Gay maduro, onde está o seu amante?

Não existem formulas mágicas para ser feliz. Na maturidade e na velhice os gays se conformam simplesmente com “ir levando” a vida.

Eu penso que ir levando é ter medo de viver, porque vigiamos a maneira como os outros vivem e nos conformamos com a nossa vida.
Ir levando é afastar-se das coisas gratificantes ou observar compulsivamente cada ruga nova que o espelho mostra. Os gays tem pavor de rugas!

Ir levando é se aborrecer com quase tudo ou adiar a possibilidade de desfrutar o hoje, fingindo se contentar com a incerteza e a ilusão de que possamos realizar algo amanhã. Os gays tem medo da discriminação social e se contentam com quase nada!

Sempre nos esquecemos de que talvez amanhã seja tarde para realizar as coisas que adiamos. Como por exemplo: encontrar um parceiro, um amante ou um amigo. A vida não é somente sexo, mas pela sexualidade nos sentimos realizados em tudo na vida.

Basta observar atentamente e perceber que os solteiros e sem companheiro, os chamados “sozinho” tem vida monótona e sem perspectivas, trabalham apenas para sobreviver, não sabem como ocupar o tempo livre e estão perdendo as esperanças. Os gays ficam enfiados dentro de casa vendo TV ou no mundo virtual da Internet.

Na verdade do que precisamos é de um AMANTE, que nos apaixona e que toma conta do nosso pensamento antes de pegarmos no sono e é aquilo que muitas vezes nos impede de dormir. O amante é aquilo que nos mantem distraídos ao que acontece à nossa volta.
É o que nos mostra o sentido e a motivação da vida. Como é bom ter um amante e ter tanta coisa para se preocupar e pensar.

Ir levando, não leva a lugar algum. Eu ouço sobre isso todos os dias e quando não ouço eu percebo em atitudes e comportamentos. A realidade dos gays na maturidade não é cruel.
Temos que considerar que o mais importante é a saúde, depois vem outras coisas como a segurança e as necessidades básicas.

Ninguém ensina para ninguém qual é o caminho para gostar da vida.

Lembra-se do filme: O Golpista do Ano, com Rodrigo Santoro e Jim Carey? Pois é, basta um amante pra nos motivar para a vida.

O psicólogo, Jorge Bucay afirma que o trágico não é morrer, afinal a morte tem boa memória e nunca se esqueceu de ninguém. O trágico é desistir de viver

Créditos: Texto adaptado do original – Quem é o seu amante? do Psicólogo Jorge Bucay.

Elizabeth Taylor

Todos já falaram tudo sobre Elizabeth Taylor, mas poucos deram destaque à sua fundação.
Toda a sua fortuna foi doada em vida para o combate a AIDS – Elizabethtayloraidsfoundation
Elizabeth Taylor por Wandy Warhol
%d blogueiros gostam disto: