A magia na vida de um gay maduro

Há algum tempo estou envolvido numa questão sensível e delicada: Avaliar e delinear algumas ações pessoais que contribuam efetivamente na gestão de uma velhice gay menos traumática.

Se você não sabe, eu já escrevi aqui no blog que eu terminei um relacionamento que durou aproximadamente dezenove anos e quatro meses.
Quando nos conhecemos em 1988 ele tinha 55 e eu 29 anos. Durante esse tempo construímos muitas coisas juntos, mas já não tínhamos objetivos comuns e a relação chegou ao fim.

Quando terminei a relação em maio de 2008, eu sofri calado alguns dos mais profundos sentimentos de culpa, ele também sofreu, principalmente por que tinha 74 anos.

Fui eu quem tomou a iniciativa e resolveu romper oficialmente o relacionamento porque havia conhecido outra pessoa – mas a vida é mágica!
Até fizemos uma viagem à Europa em junho daquele ano, mas após o retorno eu me isolei completamente para não complicar ainda mais aquela situação.

Há dois anos e oito meses eu estou com outro companheiro, ele com 65 e eu com 51 anos. Quando iniciei esse último relacionamento a primeira coisa que veio à cabeça foi justamente a idade. Eu já não tinha 29 anos e era um senhor de 49 anos. Vinte anos parece quase nada, mas as coisas mudam na nossa vida, principalmente, as psicológicas e afetivas, além das físicas – isso é mágica!

Em 2008 eu me dei conta que por mais que eu fugisse da situação, a velhice estava próxima e eu tinha que enfrenta-la com a cara e a coragem.

Eu mudei completamente a minha forma de viver, eu tive a percepção de uma espiritualidade querendo aflorar na minha vida. Fiquei mais sensível às coisas e às pessoas, acho que me tornei um ser humano mais simples. Passei a me preocupar com a saúde, parei de beber, reduzi o cigarro e fiquei menos ansioso com projetos de longo prazo, praticamente abandonei os points gays e os amigos?, há os amigos, sumiram todos! Passei a ver a vida de uma forma mais realista e me aproximei mais da minha família – isso é mágia!

Perdi minha mãe em 1985 e hoje meu pai tem 74 anos. Por conta da minha homossexualidade eu me afastei dele a vida inteira, mas nos últimos dois anos me aproximei bastante para compartilharmos bons momentos. Ele é um ser humano especial, porque nunca questionou minhas preferências sexuais e respeita os poucos amigos que lhe apresento e se permite até viajarmos juntos – isso é mágico!

Outro dia sentado na varanda da sua casa ele me confidenciou que já não tinha mais ereção e eu falei para ele que eu já não tinha tanto apetite para o sexo. Foi um momento de muita sinceridade, porque ambos, pai e filho vivem a maturidade com sabedoria.

A vida é mágica! A sexualidade é que não nos deixa ver a magia acontecendo todos os dias.
Quando nos damos conta percebemos o tempo que passou e passamos a contar o tempo que resta, mas ainda assim, a vida é mágica.

A vida é mágica porque me fez gay e me desculpem os psicólogos porque não quero nem ouvir falar em armário, pra mim a felicidade não existe, o que existe são momentos felizes.
Quem vive momentos felizes terá muitas memórias para lembrar na velhice e quando eu não tiver mais companheiro, como é que fica? Não fica, porque a vida continua e ela é mágica!

Tem uma cena muito linda no filme Shirley Valentine.
Ela sempre sonhou ver o por do sol numa praia da Grécia, sentada à mesa colocada nas areias da praia e tomando vinho.
Quando ela realizou o sonho, ela percebeu que os sonhos são muito diferentes da realidade e aquele sonho de adolescente já não fazia mais sentido, porque a emoção era completamente diferente. Isso é mágica! Sonhar, sentir a vida e vive-la no momento presente.

A vida é mágica até nos momentos difíceis de saúde e solidão, porque ela te prepara para enfrentar a vida de frente e assim você se torna mais forte para o que der e vier – C’est la vie.

Anúncios

Sobre Regis

57 anos de idade, residente na cidade de São Paulo

Publicado em 08/12/2010, em Opinião, Qualidade de Vida, Relacionamento, Sexualidade e marcado como , . Adicione o link aos favoritos. 4 Comentários.

  1. Paullo

    Demorei mas não esqueci de responder os seus comentários.
    Sim, a vida é mágica quando você tem a percepção das coisas boas que a vida te dá. Relacionamentos começam e terminam todos os dias, mas temos que seguir em frente e sempre acreditar que coisas mágicas acontecem, também, todos os dias.

    Não adianta guardar rancor porque isso gera um vazio na sua vida que vai canalizar energias negativas ao seu redor.

    Até na solidão e nos sons do silêncio existe magia!

    Felicidades, porque voce está no caminho certo.
    É aguardar e ver a magia acontecer.

    Regis

  2. Achei lindo o seu depoimento. Cheio de vida e de sinceridade.

    • Cristiano

      Vivemos num mundo de aparências, onde você apenas é valorizado por tudo o que você tem. Infelizmente, a população gay vive de modismos, mas na essência somos seres humanos, carentes de amor e afeto. A vida é muito efêmera e nos tornamos insensíveis às coisas que a vida nos dá. É primorial encontrar magia nas coisas do cotidiano, superar obstáculos e viver a vida de uma forma simples.

      Abraços

      • Boa tarde… Lí e achei muito bacana este depoimento. Me chamo Paulo, tenho 40 anos de idade, tive um único relacionamento que durou 17 anos, quando nos conhecemos eu tinha 18 anos. Vivemos momentos maravilhosos, porém há 5 anos atrás terminamos o nosso relacionamento, hoje ele tem 57 anos e somos grandes amigos, pois aprendí muito com ele, sempre fui muito bem orientado para a vida, pois perdí meus pais muito cedo, além de um companheiro tive também um amigo que me preparou para ser o homem que sou hoje. Na minha concepção este lance de tornar inimigos com o fim de um relacionamento é burrice, pois se você compartilhou sua vida com uma pessoa por tantos anos, porque torná-la inimiga. Eu estou solteiro desde então, em junho de 2010 fiz 40 anos e comecei a ver a vida de uma forma diferente, com muita gratidão por chegar aos 40 anos feliz, bem resolvido sexualmente, com hábitos sadios e independente financeiramente. Como você disse no seu depoimento, depois de uma certa idade começamos a encarar a vida de uma maneira mais light, nos tornamos mais tolerantes com as pessoas, suas manias, esquisitices, enfim, deixamos “passar batido” coisas banais que antigamente faríamos questão de contrariar. Hoje aos 40 anos procuro por outra pessoa a quem possa amar e ser amado, compartilharmos coisas da vida, nos respeitarmos…
        É isso, fica aqui meu forte abraço e mais uma vez parabéns e obrigado por este depoimento que ajuda a nos tornarmos mais fortes e determinados…

        Paullo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: