Arquivo mensal: março 2010

Reflexões de um gay maduro

Na juventude somos rebeldes e revolucionários e quando somos adultos e caminhando para a velhice nos tornamos conservadores.
Durante minhas merecidas férias neste mês de março tive muitos momentos de reflexões sobre quem sou e para onde vou.
Estou em sintonia com o meu tempo e as mudanças comportamentais e as conquistas dos gays são merecidas, mas sempre há exagero em muitas coisas.

O movimento gay – Entendo e sei perfeitamente que sem movimentos organizados não temos conquistas, mas os movimentos atuais têm muitas características de partidos políticos e com muitos interesses particulares.
O orgulho gay – como diria Clodovil: eu não tenho orgulho nenhum de ser gay, eu tenho orgulho de ser quem eu sou.
O casamento gay – Cada um faz o que bem entender, casamento gay pode até dar certo e garantir certos direitos, mas ainda assim prefiro ter uma relação estável sem precisar assinar nenhum papel.
A Parada Gay – é o carnaval fora de época, muito importante para a indústria do turismo em várias cidades do país, mas não agrega valor às causas dos gays – muito diferente do que acontece no Canadá.
Sair do armário – é uma opção individual e cada caso é um caso. Há que se elogiar quem assume a sua homossexualidade, mas também tem que respeitar quem prefere ficar no armário.
Homofobia – Existem coisas muito mais importantes do que ficar lutando contra um inimigo invisível – crimes sempre existiram e no contexto geral somos minoria e o índice de homicídios contra os gays é proporcional à sua população.
AIDS – O meu infectologista me confidenciou que está muito preocupado com a aumento da Aids na população gay nos últimos 10 anos – os jovens estão no topo da lista de infectados.

Todos os seres humanos têm o direito de ser tratados com dignidade, respeito e principalmente, AMOR – isso independe de raça, cor, religião e preferência sexual.

Observe ao seu redor e você perceberá que o mundo contemporâneo é gay – O MUNDO É GAY!!

Anúncios

Os gays e a Semana Santa

Eu sempre gostei da Semana Santa e da Páscoa e não é porque tem coelhinhos e ovos, aliás, eu nem sou fã de chocolate. Eu gosto porque a minha formação religiosa foi embasada nos ensinamentos da Igreja Metodista. Eu me considero um católico protestante porque fui batizado nas duas igrejas – isso na Irlanda e Escócia é uma heresia!

A Semana Santa é tradição religiosa do cristianismo que celebra a Paixão, a Morte e a Ressurreição de Jesus Cristo. A Semana Santa se inicia na celebração da entrada triunfal de Jesus Cristo em Jerusalém, que ocorre no domingo de ramos, e tem seu término na Páscoa que é uma festa cristã e celebra a ressurreição de Jesus Cristo.

Jesus Cristo ressuscita todos os dias, tanto no coração dos homens quanto nos noticiários. Recentemente a teóloga britânica Myra Poole disse concordar com Elton John e afirmou que Jesus era gay.
Myra disse: “Penso que Cristo era gay porque era da natureza de Cristo escolher aquilo que seria mais difícil quando se tornou humano. E ser gay é, para um homem, uma das orientações mais difíceis de assumir”. É muito Interessante nosso condicionamento do Santo e nunca do Profano.

Eu me lembro de um fato que completa trinta anos nesta Semana Santa. Foi o primeiro Encontro Brasileiro de Grupos Homossexuais Organizados, realizado na Semana Santa de 1980, no Rio de Janeiro.
Pouca gente sabe dessa história, mas ela é real e contou com a participação de mais de 800 pessoas. Naquela época já haviam pequenos grupos organizados em vários estados do Brasil e alguns deles achavam que a emancipação dos homossexuais deveria ocorrer junto aos demais setores oprimidos e explorados da sociedade.
Naqueles dias os gays levavam porrada de policiais nos guetos paulistanos e os primeiros movimentos homossexuais sofriam ameaças de “comandos de caça aos gays”.

As coisas mudaram muito nos últimos 30 anos – A Igreja da Comunidade Metropolitana Gay realizará nesta semana um retiro espiritual de Páscoa em São Paulo – é o segundo ano que o evento acontece. E lembrar que nos meus tempos de adolescente isso era uma utopia!

Também, nos EUA os gays celebrarão a Páscoa na Casa Branca em evento tradicional que acontece por lá desde 1878 – o convite partiu do presidente Barack Obama.
Ainda nos EUA acontecem várias paradas gays chamadas de Gay Easter Parade e a mais tradicional é de New Orleans.

A Páscoa não é privilégio das famílias tradicionais, os gays conquistam seu espaço na sociedade e participam da Semana Santa de uma forma diferente das tradições milenares. Os mais conservadores ainda freqüentam missas e mantêm as tradições familiares, os mais jovens aproveitam para dançar, ferver, paquerar e beijar muito.

Esse também é um período de muitas vendas no comércio e serviços, principalmente, viagens. As empresas “antenadas” nas tendências já desenvolvem produtos e serviços específicos para os gays. Ovos de Páscoa com embalagens na cor do arco-irís e pacotes de viagens friendly para vários locais do Brasil. Em Israel tem um roteiro para os gays na famosa “via sacra”, ou “via crúcis”.

O que era piada até algum tempo atrás hoje faz mais sentido e começo a acreditar que o coelhinho da Páscoa realmente é gay!

%d blogueiros gostam disto: